Sindicato pressiona o TJ para processar Taques e cobrar atrasados

Sindicalista diz que atrasos afetam pagamento de dívidas que Judiciário tem com os servidores

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso ( Sinjusmat) está pressionando o presidente do Tribunal de Justiça (TJ), desembargador Rui Ramos, para cobrar judicialmente os cerca de R$ 300 milhões em repasses atrasados desde 2016. Em requerimento, o Sinjusmat cobra do Conselho de Magistratura que tome uma decisão para que o TJ entre com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar o governador Pedro Taques (PSDB) a pagar os atrasados.

A intenção é aproveitar a decisão da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), que na semana passada determinou ao governador que pague os cerca de R$ 11 milhões atrasados da Defensoria Pública, abrindo precedente para um resultado favorável. “Temos que agir. É preciso união dos servidores e magistrados para que se tenha respeito para com a Constituição Federal. O governador Pedro Taques não está acima da Lei”, disse o presidente do Sinjusmat, Rosenwal Rodrigues, em nota à imprensa.

“A ministra apontou de que apesar de argumentada pela Procuradoria Geral do Estado a ‘frustração de receita não ficou comprovada’, pois o que se verificou na verdade foi ‘que a arrecadação da receita líquida permaneceu estável, sem frustrações relevantes ou significativas’. O que significa dizer que não houve em Mato Grosso qualquer crise orçamentária”, argumentou o sindicalista.

Ao LIVRE, Rosenwal disse que o Sinjusmat não tem legitimidade para entrar com ação no STF, por isso a pressão sobre o presidente do TJ. Segundo o sindicalista, os atrasos nos duodécimos do Poder afetam o pagamento de dívidas antigas que o Judiciário tem com os servidores, como a diferença da Unidade Real de Valor (URV), férias, licenças-prêmio, e designações de função.

“São débitos que já têm décadas”, explicou. Ele informou que a assessoria jurídica do Sinjusmat busca também outras saídas para conseguir que o governo pague os atrasados, entre elas, entrar como litisconsorte na ação movida pela Associação Mato-grossense dos Defensores Públicos (Amdep), que teve decisão favorável no STF.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMédicos pedem piso em VG
Próximo artigoMoradores de ruas sem saída já podem solicitar o fechamento de vias

O LIVRE ADS