Sindicato diz que edital do BRT tem ‘inconsistências’ e obra ficará mais cara que o previsto

Estudo encomendado pela entidade conclui que modal vai levar mais de dois anos para ser construído e custo ficará perto de R$ 900 milhões

(Foto: Reprodução / Governo de MT)

O Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (Simefre) e o Instituto de Engenharia de São Paulo (IE) divulgaram uma carta-manifesto, na qual apontam “inconsistências” no projeto de implantação do BRT em Cuiabá e Várzea Grande. 

Os principais pontos elencados discorrem sobre problemas na instalação do modal, preço da tarifa e o prazo para a conclusão da obra, além de custo 90% maior em relação ao VLT.

Após tomar conhecimento das conclusões da entidade, o governo do Estado se posicionou, por meio de nota, publicada em site oficial. No texto, rebate os argumentos apresentados pelo sindicato e afirma que o estudo mostra o ” desconhecimento sobre o comportamento dos usuários do transporte público em Cuiabá e Várzea Grande”

Corredor aberto  

Conforme um resumo do estudo, a proposta do governo não criaria um sistema de tráfego do BRT, apenas um corredor de ônibus com integração a outros sistemas. 

Esse modelo traria problema para a implantação da bilhetagem e funcionamento do sistema de refrigeração dos veículos. O estudo aponta a necessidade de criação de pista exclusiva para o BRT ao longo do todo o percurso por onde está planejado o trânsito. 

Mais caro e mais demorado 

Essa versão sairia mais cara para os cofres públicos e levaria mais tempo para ser concluída. Os dados do governo calculam gasto de R$ 430 milhões para a implantação do modal, desde o lançamento do edital até a entrega da obra, passando pela compra de 54 veículos adaptados ao sistema BRT. 

O cálculo das entidades aponta para um valor de R$ 820 milhões.  Os R$ 430 milhões seriam referentes apenas à infraestrutura.  

A esse valor seriam acrescentados outros R$ 390 milhões de ônibus, troca de baterias dos veículos ao longo de 30 anos, e a implantação do sistema automatizados. 

Todos esses serviços ficariam prontos em 50 meses e não em 48 (dois anos) como anunciado pelo governo. 

Tarifa mais alta 

A estimativa de investimento maior impactaria na tarifa ao usuário. E o valor, também estimativa, passaria de R$ 3,04, previstos pelo governo, para R$ 5,70 (+87,5%). A tarifa estimada para o VLT seria de R$ 5,28. 

O que diz o governo? 

O governo negou as informações do estudo e afirmou que a divulgação do estudo tem o intuito de “confundir a opinião pública”. Disse que os critérios para o cálculo da tarifa são melhores que chegaram ao valor e R$ 5,28 para o VLT. 

Acrescentou a estimativa de valor mais alto do que o previsto oficialmente foi formulada com a inclusão dos veículos do BRT no processo do edital, mas a compra dos vagões do VLT ficou de fora – o que encareceria mais o projeto original. 

Sobre o tempo maior de serviços, o governo disse que a distância, o número de terminais e estações são semelhantes entre o VLT e o BRT. E a implantação do BRT não necessita de instalação de trilhos, da rede aérea de tração e das subestações de energia previstas para o VLT. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistra Tereza Cristina afirma que gostaria de ser vice de Bolsonaro
Próximo artigoGoogle e Apple não cumprem lei, ignoram Procon e aplicativo brasileiro deixa de ser publicado