Silval relata ter assumido dívida de R$ 4 milhões de Bezerra e pago com propina

Ednilson Aguiar/O Livre

Carlos Bezerra_240217

O ex-governador Silval da Cunha Barbosa (PMDB) afirma ter assumido e pago uma dívida de R$ 4 milhões do deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) com a Construmóveis Materiais para Construção.

Os valores teriam sido emprestados a Bezerra para cobrir gastos da campanha de 2010, quando o deputado disputou a reeleição à Câmara dos Deputados. Para pagar a dívida, o ex-governador afirma ter utilizado dinheiro de propina.

A informação consta em um dos anexos da delação premiada fechada por Silval Barbosa junto à Procuradoria Geral da República.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DA DELAÇÃO

Silval afirma que o deputado o procurou em um período próximo à eleição de 2010. Bezerra, então presidente estadual do PMDB, teria dito ao ex-governador que precisava dos valores para a campanha e que já havia conseguido alguém para realizar o empréstimo: a empresária Marilena Ribeiro, sócia da Construmóveis.

Segundo a delação, Marilena Ribeiro exigia de Bezerra que a operação tivesse um avalista, função que o ex-governador assumiu. Silval afirma ter assinado um cheque de R$ 2,4 milhões apresentado pelo deputado federal.

Depois de ter sido eleito, Bezerra não teria quitado a dívida com a empresária, que teria procurado Silval exigindo os pagamentos.

Silval conta que conversou com o deputado, que relatou dificuldades para “levantar” os valores e pediu ao ex-governador que pagasse a dívida. Carlos Bezerra teria sugerido que “havia muitas obras no Estado de Mato Grosso, sendo fácil para o declarante [Silval] conseguir levantar recursos de tais obras” e quitar o empréstimo.

O ex-governador diz que inicialmente se negou a buscar propina de empresas e sugeriu a Bezerra que procurasse três empreiteiras: a Construtora Trípolo Ltda, pertencente à família do deputado estadual Ondanir Bortolini, “Nininho” (PSD), que iniciava obras na estrada entre Nobres e o distrito de Bom Jardim; a Ensercon Engenharia Ltda, que tinha sob sua responsabilidade a obra de ampliação do aeroporto de Rondonópolis; e a Empresa Brasileira de Construção Ltda (EBC), que pertence ao empresário Irineu Fiacadori e fazia o recapeamento da MT 060 entre Poconé e Cuiabá.

Bezerra teria dito que procuraria as empresas, contudo, passado algum tempo, o ex-governador diz ter sido cobrado novamente pela empresária. Silval diz que então procurou o deputado Nininho, que confirmou que “estaria ajudando” Bezerra.

Neste momento, por constar como avalista da dívida, Silval afirma que se comprometeu a quitar os valores devidos a Marilena, assinando cinco notas promissórias de R$ 1 milhão cada.

O ex-governador confirma que pagou a dívida com valores de propina, apesar de não se recordar exatamente de onde veio o dinheiro. Mesmo tendo deixado de pagar R$ 250 mil, Silval afirma que a empresária devolveu as notas promissórias.

Outro lado
A reportagem tentou contato com a assessoria de imprensa e com o gabinete do deputado Carlos Bezerra, mas foi informado que um posicionamento só poderia ser dado na terça-feira (29). As ligações feitas ao celular do deputado caíram na caixa de mensagens.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSilval diz que trocou delegado que investigava cartas de crédito da Sefaz por pressão de deputados
Próximo artigoPrivatização da Casa da Moeda divide opiniões