Silval diz que repassou crédito de propina da JBS para campanha de Taques

José Medeiros/Gcom

Pedro Taques e Silval Barbosa

Em delação premiada homologada pela Justiça, o ex-governador Silval Barbosa disse que contribuiu “de forma oculta” com a campanha de Pedro Taques ao governo do Estado em 2014. E que, para isso, usou parte dos “créditos” de propina que tinha a receber do Grupo JBS S/A.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DA DELAÇÃO

“O declarante decidiu repassar as propinas percebidas da JBS S/A para a campanha de Pedro Taques, tendo o declarante, juntamente com Pedro Jamil Nadaf se reunido com Wesley Batista na cidade de São Paulo”, disse o ex-governador, na delação.

No encontro, Silval relatou ter informado a Batista que pretendia direcionar um terço dos R$ 12 milhões que tinha a receber “de retornos” da empresa para a campanha do então senador pelo PDT.

Batista, segundo a delação, disse que já havia ajudado em sua campanha ao Senado “com valores através de uma ‘off-shore'” e que poderia “encaminhar os retornos”, desde que a negociação fosse “amarrada” com o candidato.

“Após tal reunião Pedro Nadaf, juntamente com Alan Malouf (coordenador da campanha de Pedro Taques) foram até a sede do Grupo JBS S/A, em São Paulo, para tratar do assunto com Wesley Batista”, disse o ex-governador.

Na reunião, segundo Silval, ficou estabelecido que Wesley Batista viria até Cuiabá para “conversar pessoalmente com Pedro Taques”. Um encontro que, segundo Pedro Nadaf disse a Silval, acabou ocorrendo.

“O Declarante acredita que o valor de R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) tenha sido pago, pois o crédito do Declarante perante Wesley de R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais) passou a ser R$ 8.000.000,00 (oito milhões de reais)”.

Reuniões

A suposta aproximação com a campanha do adversário, segundo Silval, foi intermediada pelo ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes (PSB) e pelo senador Blairo Maggi (PP), atual ministro da Agricultura.

O ex-governador afirmou ter feito pessoalmente um acordo com Taques que envolvia o corte no apoio financeiro à campanha de seu candidato, o petista Lúdio Cabral. Em contrapartida, na versão apresentada por Silval, o então senador se comprometeu a não investigar as gestões de Silval e de Maggi.

Silval relatou ter tido algumas reuniões para tratar da questão: duas na casa de Mauro Mendes, uma na casa do empresário Alan Malouf (que sucedeu Mauro na coordenação financeira da campanha de Taques) e outra na chácara do empresário do agronegócio Eraí Maggi, primo do ministro Blairo Maggi (PP).

Segundo o delator, Pedro Taques o agradeceu em duas ocasiões, pois percebeu que a campanha petista estava “financeiramente tímida”. O peemedebista disse que, em ocasiões diferentes, Mauro Mendes e Luiz Antônio Pagot pediram ajuda financeira para a campanha de Taques.

Ele relatou que Mendes lhe pediu R$ 20 milhões e que chegou a acertar com Pagot, Eraí e Paulo Taques (coordenador jurídico da campanha e primo de Pedro) uma ajuda de R$ 2 milhões de reais e um milhão de litros de combustível.

No entanto, Silval disse que não cumpriu o acordo em sua totalidade e não repassou dinheiro para a campanha de Taques, tendo cumprido apenas a promessa de não investir de forma maciça na campanha de Lúdio e articulado o repasse dos “retornos” da JBS.

Outro lado

A reportagem do LIVRE procurou o Gabinete de Comunicação do governo que, em resposta, encaminhou a nota de esclarecimento divulgada na sexta-feira (25) pela manhã – antes, portanto, de o STF determinar o fim do sigilo da delação de Silval Barbosa.

Na nota, o governador Pedro Taques diz que “não tem nenhuma relação com os fatos noticiados pela imprensa acerca da delação do ex-governador” e afirma que “foi e é adversário político do grupo do ex-governador” e que não fez ou autorizou “acordo de qualquer natureza”. 

Confira a íntegra da nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O governador Pedro Taques vem a público reiterar que não tem nenhuma relação com os fatos noticiados pela imprensa acerca da delação do ex-governador Silval Barbosa. Pedro Taques reafirma que foi e é adversário político do grupo do ex-governador, não fez nem autorizou ninguém a fazer acordo de qualquer natureza com Silval Barbosa, e atribui a citação do seu nome na delação como uma tentativa rasteira e desonesta dos seus inimigos, movida por vingança, de envolvê-lo nesse escândalo monstruoso que envergonha Mato Grosso perante a Nação.

Pedro Taques afirma, ainda, que a atuação dos órgãos de controle do Governo do Estado (como CGE e PGE) – desde 01 de janeiro de 2015, primeiro dia de seu governo – foram fundamentais na elucidação dos crimes cometidos pelos gestores que o antecederam, contribuindo para levar à prisão o ex-governador, sua esposa e um de seus filhos, entre outros.

Cuiabá- MT, 25 de agosto de 2017.

GCOM – Secretaria do Gabinete de Comunicação do Governo do Estado de Mato Grosso

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno lança Programa Nacional de Voluntariado
Próximo artigoTemer viaja à China para cúpula do Brics e divulgará projetos de privatização