Setembro negro

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Em meio a queimadas e furacões, o mês de setembro chega com tudo. Por aqui, esperamos que a chuva possa lavar nossa alma e levar consigo os focos de incêndio que ainda restam.

O estrago midiático ainda pode ser muito pior que as verdadeiras consequências. Estamos ansiosos, chorando e rezando pela próxima chuva.

No domingo (1°), enquanto zapeava a internet, fiquei feliz ao ver que uma chuva torrencial caía em uma cidade no interior de São Paulo. Enquanto isso, amigos de Porto Rico, relatavam estar em alerta máximo. O furacão Dorian castiga ilhas das Bahamas e ganha força. Pode tocar a Flórida.

Esperemos que a temporada de furacões não seja tão violenta quanto a de 2017. Em uma nota na Galileu, pesquisadores afirmam que podemos ser os verdadeiros vilões. Mesmo que as ações não sejam aceitas por alguns, os resultados estão em primeira mão dos maiores jornais do mundo.

Um dos fatos que me deixou preocupado foi sobre os aerossóis. Segundo Murakami, “o que podemos dizer do nosso estudo é que o aumento da força antropogênica aumenta a freqüência de furacões intensos”. Além disso, sabemos que a temporada de furacões só está começando e temos ainda todo mês de setembro, outubro e novembro.

Hiroyuki Murakami é pesquisador da Universidade de Princeton. Ele e seus colegas usam modelos de computador de alta resolução para analisar as tempestades e tentar entender o comportamento e sinais deixados pela natureza.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. La incultura también es un drama, social en esta ocasión. Hacer creer a gente sin estudios que los terremotos “migran” o tienen “reflejos” es lastrarla con incultura sísmica. ¿Por qué lo hace Aroldo Maciel? ¿Se cree sus propias mentiras? ¿Por qué O Livre colabora en esparcir esas patrañas?

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO que falta no CPA? Vereador propõe criação de um cemitério na região
Próximo artigoJardim das Américas: sem segurança para morar, casas dão lugar a comércios

O LIVRE ADS