Sesp, PF e Sejudh promovem seminário sobre facções criminosas

O evento ocorreu no auditório da Diretoria Geral da PJC, em Cuiabá

Os agentes de inteligência das Polícias Federal (PF), Militar (PM-MT) e Judiciária Civil (PJC-MT), e das Secretarias de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) e de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT) participaram, na tarde desta terça-feira (08.05), do Seminário “Prevenção e enfrentamento a facções criminosas”. O evento ocorreu no auditório da Diretoria Geral da PJC, em Cuiabá.

A programação incluiu apresentações da PM e da PJC sobre as ações integradas na área de inteligência direcionadas ao combate às facções criminosas e os resultados positivos, e da Sesp sobre o Plano Estadual de Inteligência e a execução junto às Agências de Inteligência (AI’s) com foco neste combate. Além disso, o seminário abordou as funcionalidades do Sistema S3iMT e a importância da integração das AI’s.

Segundo o secretário de Estado de Segurança Pública, Gustavo Garcia, o evento visa também fortalecer a integração entre as forças de segurança, juntamente com o sistema prisional. “Este trabalho conjunto foi intensificado desde o ano passado, quando assinamos o termo de cooperação com a Polícia Federal, por exemplo, para compartilhar o acesso ao banco de dados entre as duas inteligências. Agora, estamos compartilhando também a expertise de cada órgão e entrando na terceira fase que é operar juntos, com o trabalho técnico de inteligência integrado ao operacional”.

Esta interação, que já era forte no relacionamento interpessoal, ganhou mais impulso também no campo institucional, conforme destacou o superintendente substituto da PF em Mato Grosso, delegado Sérgio Sadao. “Nós sempre atuamos em parceria, mas agora iniciamos uma nova jornada que marca a mudança de conduta por parte das instituições de segurança pública, em busca de bons resultados, por meio da troca permanente de informações”.

Na avaliação do comandante-geral da PM-MT, coronel Marcos Vieira da Cunha, esta rotina é salutar para fortalecer o sistema de segurança pública no estado. “O trabalho integrado em Mato Grosso é referência nacional, e a PF vem somar ainda mais neste planejamento que engloba tanto a parte de inteligência quanto as ações operacionais”, disse. A delegada-geral adjunta da PJC, Silvia Maria Pauluzi, endossou. “É fundamental trocarmos informações e aperfeiçoar técnicas que são importantes para o combate às facções criminosas”.

Resultados eficazes

O compartilhamento de conhecimentos também conta com a participação do sistema prisional. O titular da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT), Fausto Freitas, destacou que a integração já surtiu efeitos positivos. “Um exemplo é que, em parceria com os órgãos que compõem o sistema de segurança pública, evitamos a fuga de 300 reeducandos da penitenciária da Mata Grande, em Rondonópolis, no mês de abril. E nossa diretoria de inteligência também atua em conjunto no subsídio de informações importantes para evitar possíveis ações coordenadas de dentro dos presídios”.

De acordo com o secretário-adjunto de Inteligência da Sesp-MT, Arnon Osny, as informações geradas pela inteligência são essenciais também para assessorar os gestores no alinhamento das ações. “Além de alimentar o planejamento operacional com dados qualificados, a inteligência permite o acompanhamento daquilo que é executado, com estudo e análise criminal, com o objetivo de aprimorar o sistema de segurança”.

 

Com Assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMP ajuíza ação civil contra presidente da Câmara de Santa Carmem
Próximo artigoEstudantes da UFMT deflagram greve geral contra aumento de refeição