Sesp investiga áudios que anunciam represália do CV

Em áudios que circulam pelo WhatsApp, membros de facção agiriam em resposta à suspensão de visitas na PCE

Reprodução Internet/Ilustrativa

“Vai ter salve para tacar fogo no ônibus. (…) quebraram os caras no pau desde cedo, estão sem luz”.

Este é um trecho de um dos áudios que circulam nesta quarta-feira (14) por WhatsApp e que supostamente anunciam um “salve” da facção criminosa Comando Vermelho, em represália à suspensão de visitas na Penitenciária Central do Estado (PCE), em Cuiabá.

Em resposta, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) esclarece que os áudios estão sendo analisados e os responsáveis por difundi-los serão acionados criminalmente.

Uma das pessoas que difundiu o áudio, Samuel de Souza Valdivino, foi preso em flagrante na terça-feira (13.08) às 15h30, em uma ação integrada da Polícia Judiciária Civil e Polícia Militar no município de Lucas do Rio de Verde (360 km a Médio Norte de Cuiabá).

Ele responderá pelos crimes de tráfico de drogas e foi enquadrado no artigo 2º da Lei 12850/2013, por promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa, cuja a pena é de 3 a 8 anos reclusão, além de multa.

Muitas pessoas que receberam o áudio ficaram alarmadas. Em um segundo áudio, um criminoso anuncia que serão queimados ônibus e que a população precisa ficar alerta e não sair de casa depois da 22h e nem muito cedo, antes das 6h.

Em outra gravação, um homem diz que o salve seria uma resposta à “máquina opressora do Estado de Mato Grosso”, dizendo que se tratava da “família CV, lutando contra a máquina opressora do Estado de Mato Grosso (…) oprimindo nossos irmãos dentro do Sistema Penitenciário”.

Reforma PCE

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a operação de reforma na Penitenciária Central do Estado foi iniciada na segunda-feira (12). São realizadas mudanças nas celas, pinturas e retirada de produtos que estão em desconformidade com o Manual de Procedimento Operacional Padrão do Sistema Penitenciário.

Além da reforma, a operação de revista geral tem o objetivo de fortalecer as ações de enfrentamento a crimes que possam ser cometidos dentro da unidade penal, além de se antecipar a possíveis atos delituosos.

Durante esta semana estão suspensas as visitas aos reeducandos, assim como o atendimento a advogados e defensores públicos. Apenas as escoltas emergenciais, em caso de saúde, serão realizadas.

A operação é realizada apenas na Penitenciária Central do Estado, não sendo estendida a nenhuma outra unidade no interior ou mesmo na Capital.

(Com assessoria)