Senador propõe “antecipar” feriados para garantir mais dias úteis após quarentena

A proposta só tem um problema: as exceções que ela mesma prevê

(Foto: Reprodução)

Um projeto de lei apresentado no Senado nesta semana pode alterar a data de comemoração de feriados brasileiros, excepcionalmente em 2020. O argumento é a necessidade de mais dias úteis para o setor produtivo, quando as medidas de isolamento social – que proíbem o funcionamento do comércio, por exemplo – não se fizerem mais necessárias.

O problema da proposta – de autoria do senador Confúcio Moura (MDB -RO) – é que as exceções à mudança sugerida são tantas que a regra praticamente não será aplicada, mesmo se o projeto for aprovado e sancionado.

Por motivos de “respeito à tradição”, o próprio senador não quer que sejam alteradas as seguintes datas:

  • Dia do trabalhador – 1º de maio (sexta-feira)
  • Corpus Christi – 11 de junho (quinta-feira)
  • Independência do Brasil – 7 de setembro (segunda-feira)
  • Nossa Senhora Aparecida – 12 de outubro (segunda-feira)
  • Natal – 25 de dezembro (sexta-feira)

A proposta de Confúcio Moura não altera as datas de comemoração de feriados municipais ou estaduais. Uma decisão assim teria que vir de prefeitos e governadores, apoiados pelas respectivas Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas.

Por conta disso, só restariam dois feriados a serem comemorados antecipadamente – enquanto o país ainda vive o período de isolamento social –, sendo os dois em novembro.

E em termos de dias úteis para trabalhar, o setor produtivo só ganharia um: 2 de novembro, o feriado de Finados (segunda-feira). É que, neste ano, o feriado da Proclamação da República, 15 de novembro, cai num domingo.

Faria sentido

Uma estimativa calculada pela Fecomércio de São Paulo ainda no final de 2019 aponta que – não fossem as exceções – a proposta de Confúcio Moura faria bastante sentido.

De acordo com a instituição, se 2020 tivesse sido um ano “normal”, o comércio em todo o país deixaria de arrecadar quase R$ 12 bilhões só por causa dos feriados, em especial os prolongados.

A cifra seria 53% maior do que o prejuízo que os feriados já causaram ao setor no ano passado. Em 2019, conforme a Fecomércio, empresários deixaram de arrecadar R$ 7,6 bilhões.

Naquele ano, foram 7 feriados em dias úteis. Em 2020, serão 11.

O setor do comércio mais atingido, ainda de acordo com o levantamento que a Fecomércio de São Paulo fez, seria o varejo e, dentro dele, supermercados e farmácias teriam as maiores perdas em comparação com o ano passado: R$ 3,2 bilhões e R$ 1,8 bilhão, respectivamente.

Curiosamente, estes dois tipos de comércio estão na lista dos poucos que não precisam fechar as portas por conta da pandemia do novo coronavírus.

(Com informações da Agência Senado)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFlamengo e laboratório distribuirão álcool gel em áreas carentes do Rio de Janeiro
Próximo artigoCoronavírus suspende cirurgias e 224 pacientes aguardam por uma bariátrica em MT