Senador critica greve e diz que movimento é “político”

senador licenciado Cidinho Santos (PR) afirma que as reivindicações do movimento já foram “muito bem atendidas”

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Em Brasília, participando das articulações que buscam pôr fim à greve dos caminhoneiros que já dura 8 dias, o senador licenciado Cidinho Santos (PR) afirmou que as reivindicações do movimento já foram “muito bem atendidas” e que agora a manifestação se tornou exclusivamente política.

“O Governo Federal já identificou políticos infiltrados no movimento, utilizando a boa-fé dos caminhoneiros para fazer algazarra e ameaçando aqueles que querem deixar a manifestação. As reivindicações estão muito dispersas, pedem intervenção militar, soltura do ex-presidente Lula. Está na hora de partir para conscientização, o Governo fez um esforço grande para atender as reivindicações”, disparou o republicano.

Enquanto Cidinho critica o movimento, seu correligionário e colega de Parlamento Wellington Fagundes (PR), pré-candidato ao Governo de Mato Grosso, critica o governador Pedro Taques (PSDB), que não recebeu o movimento e disse que é o problema é do Governo Federal.

“O movimento quis dialogar com o Governo e o Governo não aceitou.  Não dá para um governador dizer que não vai receber um movimento e que isso é problema do Governo Federal. Isso é problema de todos nós. Do Executivo Federal, Estadual e do Congresso. Cada Estado tem sua condição e a população de Mato Grosso está sofrendo angustiada. Frigoríficos serão fechados, aeroporto vai ficar sem combustível, as frotas de ônibus estão sendo reduzidas”, ressaltou o senador.

A favor do movimento, o senador José Medeiros (Pode) pontuou que o que está acontecendo no país é resultado de políticas erradas. “Não interessa se é legal, se é justa ou não, a greve está aí, o povo brasileiro está apoiando ela. Os brasileiros estão à beira de um colapso, o que se tem que fazer é abrir o mercado, é liberar para comprar o combustível mais barato onde tiver. Quebra o monopólio, libera a concorrência e a gente começa a pagar preço justo”.

Nesta segunda-feira (28) os senadores votam, em regime de urgência, o Projeto de Lei Complementar 121/2017, que dispõe sobre o preço mínimo para o frete, uma das reivindicações dos caminhoneiros atendidas pelo Governo Federal no último domingo (27), por meio de Medida Provisória. Com a aprovação da proposta, por sua vez, os caminhoneiros passam a ter a garantia definitiva.

O projeto prevê a criação da Política de Preços Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, mediante tabela elaborada semestralmente por órgão competente, com valores por quilômetro rodado por eixo carregado e conforme a carga. Os parâmetros devem ser fixados sempre nos meses de janeiro e julho de cada ano.

A greve

No último domingo (27) o Governo Federal cedeu às reivindicações dos caminhoneiros, no entanto, o fim da greve ainda é incerto. Em virtude do desabastecimento que atingiu inúmeros municípios de Mato Grosso, foi decretado ponto facultativo na maioria dos órgãos públicos e escolas nesta segunda-feira (28). O transporte coletivo em Cuiabá e Várzea Grande continua operando com metade da frota.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Feitiço pode voltar contra o feiticeiro”, diz cientista político sobre greve
Próximo artigoVeja como funciona o segmento cultural a partir desta segunda-feira