Sem conexão: internet não chega a 21,5% das residências de Mato Grosso

Realidade foi observada na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) e é referente ao ano de 2018

Arquivo/Agência Brasil/EBC

A pandemia de covid-19 intensificou o uso da internet no mundo inteiro. Compras, aulas, reuniões familiares e até consultas médicas. Grande parte das atividades diárias passou a ser feita vai web. Esse “novo normal”, entretanto, não é realidade para quem não tem acesso à internet. E quem não tem?

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que em Mato Grosso 21,% das casas não têm internet. A realidade observada na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) é referente a 2018.

Os números, segundo o professor doutor Cleberson Ribeiro de Jesuz, do Instituto de Geografia, História e Documentação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), refletem uma condição nacional.

“Temos um número considerável de pessoas no Brasil que não têm acesso à internet. E isso é reflexo de muitos anos de política de democratização do acesso mal feita, da má distribuição”, analisa.

E ele destaca: ainda é preciso levar em conta a qualidade do sinal que chega para muita gente. Segundo o IBGE, quase todos os domicílios acessam a web pelo celular.

“Muitos municípios não tem nenhum tipo de acesso e, quando tem, apenas uma operadora atua. Então, é uma falácia dizer que estamos todos conectados“.

(Foto: Criado por jcomp – br.freepik.com)

Contraponto

Como contraponto, Cleberson cita o exemplo da Estônia. No país do Norte europeu – que se transformou em exemplo na democratização do acesso – a internet é tida como um direito social, tal qual água e energia.

O reconhecimento faz com que o acesso não seja dificultado. Em 2019, um pacote de dados ilimitado não custava mais que 10 euros (o que, atualmente, equivale a R$ 61).

A conexão com a internet influencia até nas eleições. Desde 2005, o país tem eleições online. O acesso pode ser feito de qualquer lugar do mundo.

Uso de smartphones

A pesquisa do IBGE também apontou que o celular é o equipamento mais usado para acessar a internet. Ele foi encontrado em 99,2% dos domicílios brasileiros.

Em segundo lugar aparece o microcomputador. No entanto, a diferença para o primeiro colocado é gritante. A ferramenta só era usada em 48,1% desses lares.

(Foto: Reprodução/O Livre | Arte: Felipe Martins)

“Sabemos que o acesso por um smartphone, porém, é limitado. E é sabido também que, no celular, o uso é (quase que) restrito a aplicativos, redes social e comunicação”, aponta o professor.

É aí também que moram os riscos do uso massivo do celular, segundo Cleberson. Entre eles, a disseminação de fake news enviadas por aplicativos como o WhatsApp.

O acesso ao ensino também é uma preocupação do geógrafo, tendo em vista o momento em que vivemos. “Estamos falando do ensino via EaD. Há de se ter uma preocupação com a qualidade do ensino que vai ser ofertado e das condições desse acesso”, finaliza.

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT) foi procurada para comentar sobre políticas de acesso à internet para o ensino remoto, mas não se manifestou até a publicação desta reportagem.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDefesa Civil de Cuiabá multa empresa em R$ 308 mil por queimada urbana que durou quatro dias
Próximo artigoHomem mata ex-genro que invadiu sua casa para matar sua filha