Sem clima para convenções, Mauro Mendes defende eleições municipais em novembro

Prazos do calendário eleitoral já estão em andamento; desincompatibilização, por exemplo, tem que ser feita até sexta-feira

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM) avalia que, com a pandemia do novo coronavírus, não há clima para as discussões políticas e partidárias e, por isso, demonstra estar despreocupado com os prazos do calendário eleitoral, que já estão em andamento.

Na próxima quinta-feira (4), por exemplo, encerra o prazo para desincompatibilização de secretários de Estado que queiram participar das eleições municipais deste ano, até agora, ainda previstas para outubro.

Os secretários que forem disputar o pleito precisam deixar os cargos quatro meses antes da votação.

“Dificilmente essas eleições vão acontecer no dia 3 de outubro. Não tem clima e nem expectativa nenhuma para o cenário mudar até julho. Mês que vem já teríamos que ter convenções e como é que vamos fazer reuniões partidárias, estabelecer um calendário eleitoral, quando as pessoas estão proibidas de fazer aglomeração?”.

Mauro Mendes sugere que a eleição seja realizada em novembro. Mas, para isso, o Congresso Nacional terá que aprovar uma emenda constitucional.

Se isso ocorrer e as regras de desincompatibilização seguirem o mesmo padrão, o governador teria pelo menos mais um mês com o secretariado sem alterações.

Isso porque, entre os secretários do governo, pelo menos dois estão sendo sondados pelo DEM – partido do governador – para disputar a Prefeitura de Cuiabá. São eles: o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, e o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGerente de mercado é roubado a caminho de banco e R$ 15 mil são levados
Próximo artigoDemora nos testes para covid-19 mantém leitos de UTI vazios, afirma defensora

O LIVRE ADS