Sem aulas há um ano, transporte escolar quer virar coletivo para garantir sobrevivência

Proposta é que os donos de vans possam rodar nos horários de pico ou, pelo menos, aos finais de semana enquanto durar a pandemia

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Há um ano, as aulas presenciais foram suspensas nas escolas de Mato Grosso. A situação impactou dois setores: o das escolas particulares e o das vans que transportam os alunos. Para este último, o cenário atual – com o sistema de aulas híbridas – não é muito diferente do vivido em 2020.

“Quase nãos e vê vans rodando na cidade. Estamos praticamente na mesma situação de 2020. O retorno no modo híbrido – dia sim, dia não – não melhorou muito para nossa categoria”, explica Jussania Santos, presidente da Associação dos Permissionários do Transporte Escolar (Aspetre).

Segundo ela, com o rodízio de alunos nas escolas, os pais e transportadores divergem do preço a ser cobrado pelo serviço.

O valor é definido, de acordo com a demanda de alunos em determinada escola. Quanto maior o número de passageiros a serem transportados para um mesmo local, menor o valor da mensalidade.

“Antes eram seis alunos na Escola Tal. Agora é um, no máximo, dois. A manutenção de uma van é muito cara, não podemos ficar no prejuízo”, explica Jussania.

Em 2019, a mensalidade girava em torno de R$ 300. Hoje, o preço cobrado é de, pelo menos, de R$ 450.

“E está barato, se você for levar em consideração o valor do combustível. Os pais acham que por ser alternado, tem que ser menor. Eles pagam a escola integral, com a van não é diferente”, argumenta.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

É preciso se reinventar

Para garantir renda, a categoria diz que está precisando se reinventar. É o caso de colegas de Jussania que adaptaram os carros para fazer a entrega de produtos.

O setor também já pediu autorização à Prefeitura de Cuiabá para dividir os passageiros do transporte coletivo com as empresas que já prestam o serviço.

“No ano passado, tivemos uma reunião com prefeito pedindo isso. Fizemos todas as formalidades, protocolamos ofício. A ideia era que, se não pudesse nos dias de semana, nos colocassem para rodar aos sábados e domingos”, lembra Jussania.

LEIA TAMBÉM

Segundo ela, porém, a ideia esbarra “nos patrões do transporte coletivo”.

A proposta também é tema de um projeto que tramita na Câmara. De autoria do vereador Sargento Joelson (Solidariedade), o texto propõe que as vans circulem no horário de pico, enquanto durar o estado de calamidade publicado por causado pela covid-19.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdvogado pega covid, perde audiência e tenta recuperar processo
Próximo artigoGoverno prorroga prazos de reembolsos de shows e pacotes turísticos