Selma vota contra Maria da Penha para mulheres trans, mas projeto é aprovado

A matéria foi aprovada em caráter terminativo pela CCJ do Senado e segue para Câmara Federal

(Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

Membro da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado, a senadora por Mato Grosso Selma Arruda (PSL) votou contra o projeto de lei que prevê a proteção da Lei Maria da Penha para mulheres transgêneras e transexuais. A matéria, no entanto, foi aprovada em caráter terminativo pela comissão nesta quarta-feira (22), por maioria dos votos.

De autoria do ex-senador Jorge Viana, o projeto pretende ampliar o alcance da legislação, a fim de combater a violência contra pessoas que se identificam como integrantes do gênero feminino.

Para Selma, a mudança na norma desvirtua a proteção pensada para a mulher. “A real intenção da Lei Maria da Penha foi de determinar, taxativamente, que somente a mulher, em face de sua fragilidade biológica natural perante o sexo masculino, pode ser resguardada pelos seus efeitos”.

Para o autor, entretanto, embora o foco inicial da lei tenha sido a proteção da mulher, o ordenamento jurídico deve acompanhar as transformações sociais.

“Nesse contexto, entendemos que a Lei Maria da Penha deve ter o seu alcance ampliado, de modo a proteger não apenas as mulheres nascidas com o sexo feminino, mas também as pessoas que se identificam como sendo do gênero feminino, como é o caso de transexuais e transgêneros”, argumenta na justificativa do projeto.

Além dela, também votou em separado pela rejeição da proposta o senador Marcos Rogério (DEM-RO). Como é terminativo, caso não haja recurso para que seja analisado em plenário, o texto segue direto para apreciação na Câmara Federal.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTenet, novo filme de Christopher Nolan, ganha elenco e título oficial
Próximo artigoCelso de Mello: parlamentares têm imunidade de opinião nas redes

O LIVRE ADS