Selma Arruda tem 24 horas para apresentar alternativa de nome para a urna eletrônica

Em eventual silêncio da postulante será colocado nas urnas o nome Selma Arruda

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A juíza aposentada e candidata ao Senado Selma Arruda (PSL) terá 24 horas para apresentar à Justiça Eleitoral uma alternativa de nome a ser utilizado nas urnas eletrônicas caso o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) atenda o pedido da Procuradoria Regional Eleitoral para retirar o termo “juíza” das urnas.

A procuradora regional eleitoral Cristina Nascimento de Melo alega que Selma Arruda pleiteia a utilização do termo juíza para “induzir” a associação da imagem dela a uma instituição de respeito e a um cargo da qual não ocupa mais.

“Nessa linha, autorizar tal nome de urna seria não fidedigno com a realidade e incoerente vez que implicaria na utilização da imagem da respeitada magistratura brasileira de forma personalizada e em benefício próprio de quem não é mais juiz”.

A procuradora ainda destaca que a utilização do termo poderia gerar esperança equivocada por parte do leitorado. “O que geraria, entre outros malefícios, falsa expectativa de que, se eleito, a candidata poderá ter acesso mais fácil à estrutura do governo e ajudar os cidadãos”.

O jingle de campanha da candidata, como ressalta a procuradora, a todo momento exalta a sua antiga função, convidando os eleitores a “dar a sentença” e exalta que esta “com pulso forte pôs bandido no xadrez”.

Na decisão, o juiz do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) Ulisses Rabaneda alerta que, em eventual silêncio da postulante, será utilizado nas urnas o nome “Selma Arruda”.

O plenário do TRE julgará a questão na segunda-feira (24), para definir se ela terá ou não que trocar o nome na urna.

(Atualizada às 12h)

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça condena skinheads que atacaram 3 jovens judeus em Porto Alegre
Próximo artigoAbílio Diniz e o desarmamento dos outros!