Selma Arruda: “não acredito em nada do que esse cabo fala”

Selma Arruda relembra ameaças: "disseram que iriam me quebrar toda e que eu já estava com cara de cadáver"

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Mesmo declarando que já havia sido alvo de várias ameaças de morte, a senadora Selma Arruda (PSL-MT) recebeu com descrença as novas declarações feitas pelo cabo PM Gerson Luiz Correia nesta quarta-feira (17), em reinterrogatório na 11ª Vara Criminal de Cuiabá.

Em depoimento ao juiz Marcos Faleiros e a membros do Conselho de Sentença, Gerson Correia afirmou que uma suposta ameaça de morte contra a então juíza Selma serviu de pretexto para que família do ex-governador Silval Barbosa fosse grampeada.

“Não acredito em nada do que esse cabo fala. Ele já mudou o depoimento por várias vezes, parece estar sendo direcionado por alguém”, declarou a senadora ao LIVRE.

“Eu ainda não sei muito sobre isso, mas, à época, recebi notícias sobre uma trama para me matar e, então, relatei ao Gaeco. O procedimento de investigação correu na 7ª Vara Criminal, mas, como eu era vítima, não atuei nele”.

Selma disse que a situação a deixou bastante impactada. “Uma pessoa ouviu uma conversa e me contou. Era uma coisa bem agressiva. Disseram que iriam me quebrar toda e que eu já estava com cara de cadáver”, relembrou, sobre o “recado”.

Por sua vez, Gerson contou nesta tarde que foi até o procurador de justiça Domingos Sávio para resgatar o fato e este teria dito a Gerson que era “requentado”, mas que ainda assim, até o momento, não teria concluído a investigação.

“São fatos graves e que remetem a barriga de aluguel, dentro do Gaeco”, disparou Gerson.

Relatório “fantasioso”

Neste ponto do depoimento, ele relembrou que a então juíza Selma foi até o Gaeco para contar a Marco Aurélio sobre a suposta ameaça. Por sua vez, o promotor mandou Gerson ir até o gabinete de Selma.

Gerson disse em juízo que fez um minucioso, porém, fantasioso relatório. “Foram incluídas informações e objetos que não tinham nada a ver com o caso. E, então, Marco Aurélio o assinou”.

A intenção do relatório era apresentar elementos para subsidiar a peça para interceptação telefônica dos alvos que seriam Antonio Carlos Millas, sua esposa, Silval, o irmão de Silval, Antônio Barbosa, e outras pessoas.

Nos primeiros quinze dias de grampos, nada apontava para trama contra Selma. Gerson afirma que o objetivo central, portanto, era bisbilhotar a vida dos alvos. Mesmo assim, as investigações foram prorrogadas.

“Essa investigação realizada no Gaeco, para mim, era a mais típica prática de barriga de aluguel dentro do Gaeco”, disse Gerson. “A prática de barriga de aluguel não começou na PM, mas já veio do Gaeco há muito tempo”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS