Selma Arruda considera suspensão de escolta desproporcional e vai recorrer

A juíza-aposentada e pré-candidata ao Senado, Selma Arruda (PSL), afirmou, por meio de nota, que irá recorrer da decisão que suspendeu sua escolta armada

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Classificando como desproporcional ao trabalho que desenvolveu na magistratura, a juíza-aposentada e pré-candidata ao Senado, Selma Arruda (PSL), afirmou, por meio de nota, que irá recorrer da decisão que suspendeu sua escolta armada. Conforme a juíza-aposentada, a decisão da Comissão de Segurança do Tribunal de Justiça contraria parecer da Coordenadoria Militar do próprio Poder Judiciário.

“Depois de dois meses de aposentadoria essa medida é desproporcional ao trabalho desenvolvido por ela durante o exercício do cargo, sendo responsável pelos crimes cujos processos de alta complexidade tramitavam na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, que é competente para julgar o Crime Organizado, Crime Contra a Ordem Tributária e Econômica e Contra a Administração Pública e Lavagem de Dinheiro que envolvem políticos que ocupam ou ocuparam cargos no Legislativo e Executivo”, diz trecho da nota.

A pré-candidata ressaltou ainda que é alvo de ameaças desde setembro de 2015, quando passou a ser escoltada por policiais militares, que se revezam para protegê-la 24 horas por dia. Além disso, citou exemplos como do governador Pedro Taques (PSDB), que teve escolta mantida durante as campanhas ao Senado e ao Governo, e do juiz federal Odilon de Oliveira, pré-candidato ao Senado pelo PDT do Mato Grosso do Sul.

Confira a nota na íntegra:

Selma Arruda deve recorrer à decisão do TJMT, que suspende escolta à magistrada

A decisão da Comissão de Segurança do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) de suspender a escolta fornecida à juíza aposentada Selma Arruda, que é pré-candidata ao Senado pelo PSL, contraria o parecer da Coordenadoria Militar do próprio Tribunal. Depois de dois meses de aposentadoria essa medida é desproporcional ao trabalho desenvolvido por ela durante o exercício do cargo, sendo responsável pelos crimes cujos processos de alta complexidade tramitavam na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, que é competente para julgar o Crime Organizado, Crime Contra a Ordem Tributária e Econômica e Contra a Administração Pública e Lavagem de Dinheiro que envolvem políticos que ocupam ou ocuparam cargos no Legislativo e Executivo.

Selma Arruda ingressou na magistratura em 1996, onde pautou sua atuação pelo combate à corrupção e ao crime organizado, em 22 anos de atuação na Justiça Criminal no Estado. Atuou contra o crime organizado no Estado e expediu ordens de prisões de grandes nomes da política e empresários de Mato Grosso. Desde setembro de 2015 sendo alvo de ameaças, é escoltada por policiais militares, que se revezam para protegê-la 24 horas por dia. A juíza Selma Arruda vai utilizar todos os recursos cabíveis para contestar a decisão.

O juiz federal Odilon de Oliveira pré-candidato ao senado Partido Democrático Trabalhista (PDT), às próximas eleições em Campo Grande (MS), conhecido por sentenciar traficantes internacionais e atuar em ações de combate ao crime organizado ganhou projeção nacional após ameaças de morte e a condenação de narcotraficantes tinha escolta da Polícia Federal. Após a aposentadoria a decisão pela manutenção da escolta policial por prazo indeterminado foi garantida.

O governador Pedro Taques também teve a escolta da Policia Militar do Estado mantida durante as campanhas ao Senado Federal e depois ao governo de Mato Grosso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.