Selma Arruda: a ex-juíza fora da lei

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O mundo da política não é, definitivamente, para amadores. Em artigo, neste mesmo espaço, em 04 de outubro, véspera das eleições, escrevi sob o título “De Selma Arruda a Jair Bolsonaro”, onde eu tratava das irregularidades da campanha da candidata que, conhecida como Sérgio Moro de saias, prestes a alcançar uma cadeira no Senado da República e que teria pela frente uma batalha jurídica enorme, para sustentar a cadeira obtida com votação expressiva que lhe foi conferida pelas urnas. Foram 678.542 votos a ela conferidos, condição que a fez a mais votada naquele pleito.

A ninguém é dado o direito o desconhecimento da lei, principalmente a ela que construiu seu nome vendendo uma moralidade e combate à corrupção que o tempo acabou por demonstrar ser o que chamei à época de ser uma verdadeira “fake news”.

Desde sua aposentadoria, manchada por recebimento de valores irregulares, Selma julgou que o cargo que deixava para inserir-se num novo mundo, o mundo da política, ela poderia usar e abusar contrariando as regras da lei eleitoral. Justo ela que construiu a sua vida como operadora do Direito.

Antes mesmo do início da campanha, valeu-se, ilicitamente, de recursos obtidos através de seu primeiro suplente, Gilberto Possamai, usando-o como seu grande financiador. Por suas contas bancárias passaram recursos flagrantemente ilegais que regaram sua campanha. Omitiu 72% das despesas efetuadas – 1,2 milhão – configurando caixa 2 e abuso de poder econômico.

Deu no que deu. Denunciada, foi condenada por unanimidade pelo TRE à perda do cargo, junto com seu suplente e financiador, além da perda dos direitos políticos por oito anos, devendo uma nova eleição ser realizada para preencher o cargo ainda por ela ocupado.

É claro que ainda há um não tão longo caminho a ser percorrido, mas até setembro, prazo que o TSE estipulou para o julgamento de todos os recursos oriundos da eleição, em última instância, deverá estar julgado pela mais alta corte eleitoral do país e, pela robustez das provas e com o placar unânime de 7×0, aqui no TRE, é quase impossível imaginar que ela continuará a representar Mato Grosso no Senado Federal.

A campanha de ex-juíza começou de forma atabalhoada e sem rumo. O que se via eram constantes desacertos partidários, com ela chegando a pedir que o segundo voto poderia ser dado para o candidato do PSOL – partido que além de não fazer parte da sua coligação, representa tudo que seu PSL combate, algo inimaginável em qualquer disputa eleitoral.

Há que se reconhecer que a campanha só encontrou um rumo, quando o novo marqueteiro contratado, tirou-a dos embates partidários e colou sua imagem naquele que representava, como ela dizia representar, o combate sem tréguas à corrupção e que, naquele momento, todos sabiam ser Jair Bolsonaro.

Ainda que o impossível possa acontecer e a ex-juíza permaneça no Senado, fica claro que mais uma vez o eleitorado foi enganado, acreditando dar seu voto a alguém que pudesse representá-lo com dignidade.

Agora só resta aguardar que seu advogado, com recursos que ela não declara ter, possa levar a batalha indefinidamente, como normalmente acontece nesse Brasil dada a morosidade da justiça.

Selma Arruda, a ex-juíza moralista, está hoje do outro lado da mesa. No banco dos réus, buscando todas as artimanhas que os que foram por ela condenados usaram para que a justiça não fosse finalizada.

E pior: antes mesmo de o cadáver esfriar, já há um sem número de candidatos brigando pela vaga que deverá ser aberta. A nova eleição se houver, e pelo que parece certamente ocorrerá, deverá acontecer, se os prazos forem cumpridos, no primeiro semestre do ano que vem. E tudo começará de novo: novas promessas, novos compromissos e a venda de novas esperanças que não saberemos se serão cumpridos. Lamentável!

*Advogado, analista político e ex-parlamentar estadual e federal

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno paga segunda parcela
Próximo artigoVereador de Nova Ubiratã morre em acidente na MT-242

O LIVRE ADS