Saúde: Estado e prefeitura não se entendem quanto a valor dos repasses

Pinheiro quer receber R$ 60 milhões que seriam usados na construção do Pronto-socorro de Cuiabá

Secretário Gilberto Figueiredo (Marcos Vergueiro/MTGov)

A nova batalha na guerra entre o  governador Mauro Mendes (MDB) e o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), é na área de saúde.

O Estado já depositou na conta do Município R$ 75,8 milhões, no entanto, o prefeito cobra mais R$ 60 milhões.

Segundo Pinheiro, o dinheiro foi “emprestado” para salvar a Secretaria de Estado de Saúde (SES) em 2018.

Naquele ano, foi pactuado que o Estado receberia da União uma emenda federal destinada ao Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) no valor de R$ 60 milhões.

Porém, a gestão usou o dinheiro para outra finalidade e acordou com o Município que iria pagar o valor no futuro.

Agora, o prefeito cobra do governador o cumprimento do acordo firmado naquela época,  quando a gestão era de Pedro Taques (PSDB) .

Pinheiro já ofereceu ao governador a opção de fazer o parcelamento. No entanto, Mendes alega crise de caixa para não honrar o compromisso.

Portal da Transparência

Conforme o Portal Transparência, o Estado já repassou R$ 75,8 milhões para manter os serviços de saúde da Capital.

A cidade recebeu mais que o dobro da segunda colocada, Rondonópolis, que teve R$ 31,6 milhões.

Várzea Grande, cidade do senador Jayme Campos (DEM), aliado de Mauro,  recebeu R$ 24,8 milhões,  seguida de Tangará da Serra (R$ 11,7 milhões) e Juína (R$ 8,9 milhões).

Quem está no ranking das 10 mais bem pagas são ainda Confresa (R$ 8,2 milhões) e Barra do Garças (R$ 8 milhões) e Primavera do Leste (R$ 7,1 milhões).

A lista fica completa com Pontes e Lacerda (R$ 6,2 milhões) e Lucas do Rio Verde, terra do vice-governador Otaviano Pivetta (PDT), com R$ 5,1 milhões.