|terça, 21 agosto 2018

    Sapiens

    25
    COMPARTILHECOMPARTILHE

    O Homo Sapiens é muito ranzinza. Vive implicando com o vizinho ou parente, sempre achando que está sendo engambelado pelo outro. Embora tenha abandonado as recorrentes batalhas tribais, ainda preserva ranhetices e rivalidades comuns dos primatas, família a que pertencemos, embora muitos neguem esse parentesco.

    Os comportamentos típicos dos bandos que viviam em constantes contendas podem ser vistos, ainda que disfarçados com algum verniz civilizatório, no dia-a-dia das pessoas. O espírito de tribo agora se manifesta em ajuntamentos por classes sociais, categorias profissionais, comunidades religiosas, torcidas esportivas e outras tantas formas de se unirem por algum traço comum.

    Dentro de cada grupo, os Sapiens disputam entre si, mas se unem em bandos para atacar outro ou defender-se quando se sentem ameaçados.

    O comportamento de uma torcida de futebol, por exemplo, quando atacando a rival, se parece muito com o nosso parente próximo, o chimpanzé, quando defende o território que habita ou tenta conquistar o reduto do bando adversário.

    Também a atuação de grevistas atacando policiais e rebatidos por estes lembra macacos confrontando-se em bandos, atirando objetos mutuamente com alarido, xingamentos e caretas.

    A diferença é que os nossos primos primatas parecem mais práticos, pois brigam por sobrevivência enquanto os humanos se estapeiam para provar que o Corinthians é melhor que o Palmeiras ou usam a força bruta onde o diálogo seria melhor.

    Depois de tantos anos de civilização não aprendemos ainda as vantagens da cooperação que beneficia a todos. Cultivamos a preferência atávica pelo confronto e hostilização, embora tenhamos deixado de atirar paus e pedras uns nos outros, exceto nos protestos e nos jogos de futebol.

    Disfarçadamente, preservamos os antagonismos tribais. Os flamenguistas olham de esguelha os vascaínos; evangélicos não admiram os católicos; empresários dizem que os empregados são preguiçosos; estes garantem que os patrões são gananciosos e opressores.

    Ainda: os que trabalham na iniciativa privada afirmam que os funcionários públicos são desleixados e malandros; civis acusam os militares de violência e todos nós, quando perdemos uma causa na Justiça, acusamos o juiz de corrupção ou incompetência.

    Mas é possível melhorar. Se lembrarmos que há pouco mais de cem anos incivilizadas tribos africanas capturavam e vendiam homens, mulheres e crianças como escravos dá pra ver que progredimos bastante.

    Entretanto não convém esquecer que as incivis tribos africanas vendiam os escravos aprisionados para os civilizadíssimos avós do meu e do teu avô.

    Assinatura Renato de Paiva

     

     

    Deixe um comentário

    Please enter your name here
    Please enter your comment!

    DESTAQUES

    Bairro Cuiabá História Municípios Policia
    Polícia Civil prende filho acusado de matar pai por esganadura em Confresa
    Ex-prefeito, pai de brasileira morta chega ao Paraguai e nega prisão de suspeito
    Marido mata homem porque ele olhou sua mulher dançar em festa de aniversário
    Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
    Arquiteta teria fugido por acreditar que acidente se tratava de assalto, dizem testemunhas
    Ritmo de campanha: Taques cola em Dante, Mauro em Blairo e Wellington no verde; ouça jingles
    Janaina Riva aposta em segundo turno entre Wellington e Mendes
    Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
    Cinco unidades do Indea são revitalizadas com recursos de Fundos
    Soja tem cenário promissor e área plantada deve crescer
    Setor de couro quer melhorar qualidade e aumentar exportações
    Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
    Sesc Arsenal oferta minicurso sobre adaptação literária em multimídia neste sábado
    Evento circense reúne artistas da América Latina em Cuiabá com apresentações ao público
    Fotógrafos profissionais e amadores terão consultorias gratuitas nesta semana
    Corrupção Economia Eleições Estados Política
    Comitê para Migrações repudia agressões a venezuelanos
    Pesquisa da CNI mostra melhora na confiança dos empresários
    Temer e ministros discutem situação de venezuelanos em Roraima
    Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
    Começam inscrições para concurso docente da UFMT
    Por R$ 23 mil, Tribunal de Justiça de Mato Grosso lança concurso para magistratura
    Sejudh abre concurso para agentes penitenciários com salários de até R$ 3 mil
    X