Saiba mais sobre a história de Abaporu, o quadro brasileiro mais valioso

Só a apólice de seguro de exposição em NY custava 45 milhões de dólares; especialistas avaliam que o valor real seja muito superior

Um presente da artista plástica Tarsila do Amaral ao marido, o escritor Oswald de Andrade, a obra Abaporu faz parte do acervo do Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba). Em 2018 voltou brevemente “às origens” ao ser exposta no Masp, em São Paulo.

Pintada a óleo em janeiro de 1928, é a tela brasileira mais conhecida e valorizada no mercado artístico mundial. E… não está à venda.

Símbolo do modernismo brasileiro, seu valor é imensurável ao ponto de ser estimado apenas quando se é levada em consideração o seguro feito durante exposições que participa. No Museu de Arte Moderna de Nova York, a exemplo, a apólice garantia US$ 45 milhões. Mas especialistas garantem que o valor real seria muito superior a essa marca.

A pintura guarda forte identificação com o Brasil, a começar pelas cores escolhidas por Tarsila. O verde, amarelo e azul, fazem alusão a bandeira nacional, dando a entender que o homem retratado é brasileiro.

Crítica à sociedade

Ele é representado com mãos e pés grandes, junto a um sol e um cacto. Contudo, nenhum desses elementos está ali por acaso. Por exemplo, ao pintar o homem com as mãos e pés grandes, Tarsila busca representar o trabalho físico, e os pés sujos de verde são compreendidos como uma conexão existente entre o ser humano e a terra.

Porém, em contraste ao tamanho desses membros, a cabeça do mesmo é pequena, o que retrata a falta de pensamento crítico da sociedade daquela época.

Deste modo, entende-se que a autora faz uma crítica à sociedade, de forma a compreender que o homem era entendido como alguém cujo ofício se limitava a força física, sem a possibilidade de um pensamento crítico.

Portanto, o tamanho dos pés e das mãos denotam sua maior importância, quando comparados com o da cabeça. Essa técnica de pintura é denominada gigantismo e a própria Tarsila já havia utilizado antes quando pintou A negra, em 1923.

Superação das dificuldades

O homem em Abaporu, mesmo que sem observar nitidamente sua face, transmite certa melancolia tendo em vista a forma como sua cabeça está posicionada e sua expressão que denota tristeza.

Detrás do homem retratado, observa-se um cacto, que é considerado uma planta característica da flora nordestina. Já no centro superior, encontra-se o sol, que possui a forma de um olho, como se observasse o homem e a natureza.

A junção desses elementos busca representar um clima seco e uma resistência a algo, e quando as figuras são colocadas junto ao homem, trazem uma reflexão diante da superação das dificuldades existentes em seu cotidiano.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. A obra parece profunda a primeira vista, mas é como qualquer outra da época: carregada de estereótipos. Mas não surpreende, veio de alguém da elite que acreditava até em democracia racial no Br.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConheça os melhores conselhos dos esquimós contra o pessimismo
Próximo artigoAvô vai buscar neto na escola e chega em casa com criança errada