Sacos para 10 anos?

Secretaria de Saúde de Mato Grosso diz que compra do produto faz parte da rotina. Em 2019, nenhuma unidade foi adquirida

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que os 10,9 mil sacos impermeáveis, à prova de vazamentos e com selagem, comprados pelo órgão podem ficar estocados por tempo indeterminado, tendo em vista que não possuem prazo de validade.

Conforme a Pasta, o procedimento faz parte dos protocolos de combate à pandemia do coronavírus e garante o atendimento das rotinas hospitalares.

Nessa quarta-feira (20), o LIVRE revelou a aquisição. Na reportagem, são apresentados os valores da compra – R$ 163,4 mil – bem como as indicações para uso, entre elas “embalar” as vítimas fatais da covid-19.

LEIA TAMBÉM

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que, nos últimos 10 anos, 18 mil pessoas morreram em Mato Grosso em termos gerais. Contudo, o próprio texto ressalta que nem todos usaram este tipo de produto, indicado apenas para os casos de pacientes infectados por doenças contagiosas.

Leia nota na íntegra:

“A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) realizou, com base no fato de que o saco lacrado é um material não perecível – isto é, não tem validade – e levando em consideração o Protocolo de Manuseio de Cadáveres, a compra de 10.900 unidades de sacos que poderão servir às 11 unidades hospitalares de Mato Grosso, às unidades referenciadas para o atendimento de pacientes com a Covid-19 e ao Serviço de Verificação de Óbito (SVO), de forma a munir os profissionais da Saúde com os itens necessários à rotina hospitalar. Os valores dos contratos totalizam R$ 163.499,00.

De acordo com a área técnica de Vigilância Epidemiológica da SES, nos últimos 10 anos, Mato Grosso registrou uma média de 18 mil óbitos gerais por ano. Neste contexto, é importante frisar que os sacos lacrados são utilizados em outras circunstâncias e não apenas naquelas que tratam do coronavírus. Este item é útil em qualquer situação que envolva uma doença infectocontagiosa.”

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmpresas já não conseguem manter acordos com trabalhadores e Justiça tem reduzido indenizações
Próximo artigoPequenos empresários agonizam enquanto auxílios “empacam” na burocracia e política