Rui Ramos pode ir para a advocacia

Desembargador Rui Ramos Ribeiro
Desembargador Rui Ramos Ribeiro já pensa no futuro após fim de sua gestão à frente do Tribunal de Justiça

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos Ribeiro, pode se desligar da magistratura após deixar o comando do órgão. A gestão do desembargador se encerra ao final de 2018.

Nos bastidores do Judiciário, a conversa é de que Ramos já teria consultado ao menos um ex-desembargador sobre a possibilidade de passar a atuar na advocacia, montando novo escritório ou até mesmo passando a integrar um já existente.

O desembargador nunca atuou como advogado. Nascido na cidade de Bauru (SP), Rui Ramos se formou na Faculdade de Direito de Bauru – Instituto Toledo de Ensino, em 1982, e passou a fazer parte da magistratura de Mato Grosso como juiz em 1986. Em 2004 foi promovido a desembargador pelo Tribunal de Justiça.

Caso se mantenha no Judiciário, o desembargador deve tentar seguir atuando em funções junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ramos foi coordenador regional da região Centro-Oeste e Estado de Minas Gerais da Corregedoria Nacional de Justiça, órgão do CNJ, entre 2014 e 2015. Na corregedoria do CNJ, Ramos também atuou como desembargador auxiliar entre 2015 e 2016, por nomeação da ministra Nancy Andrighi.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAcordos de leniência vão se desdobrar em obras e operações policiais
Próximo artigoHistória de famílias pioneiras de Cuiabá serão catalogadas em site

O LIVRE ADS