Rota Oeste é condenada a pagar conserto de caminhão que bateu em cavalo

Veículo colidiu com um cavalo na pista que estava sob responsabilidade da empresa

Foto: Divulgação/Rota do Oeste

Um caminhão trafegava por uma rodovia administrada pela concessionária Rota Oeste, em Mato Grosso, quando o motorista colidiu com um cavalo. O acidente causou danos financeiros, tanto por conta do conserto como pela redução dos rendimentos da empresa proprietária do veículo no período em que ele ficou parado. E, a pergunta é: de quem foi a responsabilidade?

Conforme um decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que confirmou o que já havia sido decidido na 1ª Instância, a resposta é a Rota Oeste, concessionária que administra a rodovia.

A empresa agora pagará R$ 28 mil pelos reparos ao veículo e mais R$ 9.248,00 pelo tempo que o caminhão ficou desativado, além dos honorários advocatícios.

Na manhã desta quarta-feira (17), os desembargadores da 2º Câmara de Direito Privado decidiram que não há o que se discutir, uma vez que a empresa cobra dos motoristas o pedágio e, em troca, se propõe a manter as condições de trafegabilidade, dar socorro em caso de emergência e ainda assegurar a segurança, o que não aconteceu quando o animal invadiu a pista.

A advogada da Rota Oeste, que entrou com o recurso de revisão da decisão de 1º grau, Marina Novetti, tentou argumentar que não havia como a empresa prevenir esse tipo de acidente, nem mesmo se cercasse os 850 km da rodovia.

Alegou ainda que todo o trabalho da empresa é fiscalizado pela Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT) e documentos mostram o cumprimento das medidas.

Outros fatores abordados por ela foram as condições ideais da pista e da sinalização, bem como a visibilidade na hora do acidente, que segundo a advogada, davam condições para o motorista ter evitado a colisão.

Por unanimidade, os desembargadores discordaram da advogada e mantiveram a decisão que atribuía o pagamento dos danos ao dono do caminhão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMovimento contra decreto
Próximo artigoGrileiros invadem terreno em que seria feita ampliação de creche municipal