Rondonópolis: laboratório tinha apenas um banheiro para funcionários

Justiça do Trabalho determinou ao município a adequação das condições sanitárias e de higiene para os trabalhadores

(Foto: Cottonbro / Pexels)

Em cumprimento a uma decisão da Justiça do Trabalho, o Laboratório Central do Município de Rondonópolis (Lacen) fez adequações nas instalações sanitárias utilizadas pelos servidores que atuam no local.

O caso chegou à justiça em janeiro deste ano, ajuizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) a partir de uma representação feita pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis. Inspeção realizada pelo MPT confirmou a existência de um único cômodo utilizado como banheiro por todos os trabalhadores da unidade de saúde.

Cinco dias após o início do processo judicial, foi concedida decisão liminar na 1ª Vara do Trabalho de Rondonópolis determinando a adequação imediata das instalações sanitárias, ordem confirmada em sentença proferida na última semana de setembro pelo juiz Edemar Borchartt.

O Município de Rondonópolis admitiu a deficiência quanto ao cumprimento das normas de higiene e saúde no Laboratório Central, mas atribuiu o problema à falta de recursos e de previsão no orçamento. Sustentou, no entanto, que a ação judicial não deveria prosseguir pois seria uma interferência indevida do Judiciário no Executivo, o que caracterizaria uma violação ao princípio da separação dos poderes, além de um desrespeito às leis orçamentárias.

Separação dos poderes

Mas, ao analisar o argumento, o juiz Edemar Borchartt ressaltou que a independência dos poderes prevista na Constituição Federal não leva à conclusão de que o Judiciário deva se manter inerte em caso de flagrantes ilegalidades cometidas pelo Executivo.

Conforme lembrou o magistrado, a Constituição de 1988 estabelece, em seus artigos 7º e 39, que é direito dos servidores públicos a redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança, de modo que os gestores não podem deixar de cumprir suas obrigações de ordem pública.

“Nesse contexto, o controle jurisdicional da situação trazida a juízo se mostra necessário, a fim de promover a tutela das normas relativas à segurança, higiene e saúde dos servidores do Réu, conforme previsto na Súmula n. 736 do Supremo Tribunal Federal, o que não revela ingerência sobre ações discricionárias do Poder Executivo”, enfatizou.

Por fim, o juiz apontou a necessidade de condições sanitárias adequadas, especialmente em unidades de saúde, diante do atual contexto de disseminação da covid-19. Por meio de boletim epidemiológico publicado no início da pandemia, o Ministério da Saúde orientou que “um dos pontos mais sensíveis que podem levar ao colapso do sistema é a contaminação de profissionais de área de saúde e seu afastamento”.

Cumprimento das obrigações

As determinações da justiça impõem ao Município a obrigação de disponibilizar instalações sanitárias na proporção mínima de um sanitário para cada grupo de 20 trabalhadores e um lavatório para cada 10 trabalhadores nas atividades com exposição e manuseio de material infectante, substâncias tóxicas ou irritantes. As exigências constam da Norma Regulamentadora 24, que trata de condições mínimas de higiene e conforto nos locais de trabalho.

Em audiência realizada em abril, o Município informou que, após a liminar, havia dado início às obras de adequação do Lacen e, posteriormente, comunicou ter atendido a determinação judicial quanto aos sanitários e lavatórios. O cumprimento das obrigações foi reconhecido pelo MPT, autor da ação, com base em relatório de inspeção da Vigilância Sanitária. A regularização da conduta foi registrada na sentença que, ao fim, estabelece multa em caso de comprovação de qualquer irregularidade quanto ao caso.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPRF registra queda de 21% em acidentes graves durante o feriado
Próximo artigoJustiça nega pensão a viúva de lenhador após constatar fraude na carteira de trabalho