Rodovias federais são liberadas pela PRF após decisão judicial

Medida foi tomada após determinação da Justiça Federal. Na Grande Cuiabá, caminhoneiros afirmam que continuarão mobilizados

Os pontos que estavam bloqueados por caminhoneiros em estradas federais ao longo de todo o Estado foram liberados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) durante a tarde dessa quinta-feira (9).

O trabalho de desobstrução aconteceu após a Justiça Federal expedir uma decisão para que os pontos fossem liberados, em pelo menos uma das vias, para que o trânsito fosse totalmente livre para qualquer tipo de veículo.

LEIA TAMBÉM

Na Grande Cuiabá, os caminhoneiros estavam mobilizados no Km 396 da BR-364, na Capital, e Km 516 da Br-070, em Várzea Grande. O representante dos caminhoneiros, Odelson Santana de Morais, explica que o tráfego está liberado. Porém, a mobilização ainda continua pelos arredores das vias.

“Vamos chamar todo mundo, outros caminhoneiros e a sociedade como um todo, para participar desse movimento com a gente”, diz.

A PRF conseguiu a liberação também do Km 1.055 da BR-164 em Guarantã do Norte, Km 1.038 da BR-163 em Matupá, Km 687 da BR-163 em Lucas do Rio Verde e Km 288 da BR-174 em Pontes e Lacerda, em Sinop foi feito o desbloqueio da BR 163 no Km 821. Em Campo Verde também houve a liberação do Km 383 da BR-070.

Desbloqueio em Guarantã do Norte (Foto: Divulgação / PRF)

Bloqueados

O Ministério da Infraestrutura informou que, no Brasil, são registrados pontos de concentração em rodovias federais de 10 estados, com pontos isolados em outros cinco.

A região Sul – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná – segue concentrando mais da metade das ocorrências. As aglomerações ainda seguem nos estados de Rondônia, Mato Grosso do Sul, Bahia, Pará, Mato Grosso, Goiás e Tocantins.

Com um único ponto seguem Maranhão, Minas Gerais, Roraima, Piauí e Rio de Janeiro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCesta básica já chega a custar 65% do salário mínimo
Próximo artigoEm cirurgia rara, paciente recebe prótese de cotovelo e recupera mobilidade do braço