Rock faz bem pra saúde? Pesquisa aponta relação entre música intensa e saúde mental

Pesquisadores da UFMT investigaram o assunto e o resultado chegou a ser publicado em uma revista internacional

O que ritmos como rock, heavy metal, punk têm em comum, além da sonoridade? A relação com a saúde mental dos ouvintes! Uma pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) explorou a relação desses ritmos com o nível de bem-estar.

O estudo “Indirect effects of preference for intense music on mental health through positive and negative affect” foi publicado este mês na revista Psychology of Music.

A metodologia da pesquisa consistiu na aplicação de questionários, que foram distribuídos através das redes sociais. As perguntas utilizaram escalas para avaliar o nível de satisfação com a vida, afetos positivos e negativos, além de uma escala para medir a ansiedade e a depressão.

No total, o estudo contou com a participação de 268 usuários, na faixa etária de 18 a 63 anos.

O que foi descoberto?

“Nós concluímos que a preferência por ritmos musicais intensos, como o heavy metal, rock, punk, entre outros, pode influenciar a saúde mental, mas de maneira indireta, através dos afetos negativos, que são a tristeza, raiva, preocupação, etc. Ouvir música intensa frequentemente é um processo cumulativo que pode aumentar os afetos negativos e diminuir os afetos positivos, podendo ter repercussão na nossa saúde mental”.

Quem explica é o professor do Departamento de Psicologia da UFMT e um dos autores do estudo, Renan Monteiro.

Segundo ele, a ideia de fazer esse estudo surgiu diante do impasse existente na literatura sobre o papel da música na saúde mental: alguns estudiosos apontam influência, outros não.

A pesquisa foi publicada em revista internacional e conta com outros pesquisadores.

Também contribuíram para o trabalho o estudante de graduação em Psicologia da UFMT, Wilker Andrade, Carlos Pimentel, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Gabriel Coelho, da University College Cork, na Irlanda, e Roosevelt Vilar, da Massey University, na Nova Zelândia.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Leis Mariana Ferrer”: deputadas querem aumento de pena e responsabilização de juízes
Próximo artigoEstudo da UFMT diz que a China pode ser responsabilizada por prejuízos da pandemia