Riva e Bosaipo se tornam réus por pagamento de R$ 1,9 milhão à empresa fantasma

Apenas nesta semana, este é a terceira ação na qual Riva, Bosaipo e outros cinco se tornam réus por desvios milionários da Assembleia Legislativa

Ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O ex-deputado estadual José Geraldo Riva, o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Humberto Bosaipo, e outras seis pessoas ligadas à Assembleia Legislativa de Mato Grosso, se tornaram réus na Justiça por um desvio de quase R$ 2 milhões dos cofres do Legislativo. O suposto crime ocorreu quando os dois eram parlamentares.

A denúncia contra os envolvidos foi oferecida pelo Ministério Público Estadual (MPE) em 2006 e recebida pela juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, no dia 9 de abril, depois de diversos recursos por parte dos acusados.

Conforme o processo, Riva e Bosaipo contaram com a ajuda de Guilherme da Costa Garcia, Luiz Eugênio de Godoy (falecido), Nivaldo de Araújo (falecido), Geraldo Lauro, José Quirino Pereira e Joel Quirino Pereira para o crime de improbidade administrativa. Eles também figuram como réus.

Segundo narra o MPE, José e Joel Quirino criaram a empresa fantasma E.B.N de Mello & CIA LTDA “exclusivamente para justificar os pagamentos fraudulentos”. Já Geraldo Lauro e Guilherme Garcia foram denunciados por serem os responsáveis pelos setores de finanças e licitação e patrimônio da Assembleia Legislativa na época dos fatos.

Por sua vez, Riva e Humberto Bosaipo eram os responsáveis por coordenar aquilo que foi considerado “conduta improba” por parte dos servidores da ALMT.

[featured_paragraph]Segundo a ação, os envolvidos teriam fraudado uma licitação e emitido cheques de pagamentos para a empresa de José e Joel Quirino, por serviços que nunca foram prestados. No total, eles teriam desviado, por meio do esquema, R$ 1.951.187,48.[/featured_paragraph]

Na época, o MPE pediu a indisponibilidade de bens dos envolvidos, o afastamento de Riva do cargo de 1º secretário da ALMT, de Luiz Eugênio de Godoy, Nivaldo de Araújo, Geraldo Lauro e Guilherme Garcia de qualquer cargo ou função pública que estivessem exercendo, e busca e apreensão de documentos junto aos setores de licitação, finanças e patrimônio da Assembleia.

Nesta semana, Célia Vidotti aceitou a denúncia do Ministério Público e determinou a notificação do Governo do Estado para manifestação, em até cinco dias, caso queira se tornar parte do processo.

Novamente, réus

Este é apenas mais um dos processos nos quais Riva, Bosaipo e os outros seis ex-funcionários da Assembleia Legislativa foram denunciados.

Em outro processo analisado pela juíza Célia Regina Vidotti recentemente, cuja denúncia foi oferecida em 2005, além de Riva, Bosaipo, Geraldo Lauro, José e João Quirino e Nivaldo de Araújo, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, também figurou como réu. A ação trata de um desvio de R$ 486,9 mil.

Já em outra ação, que julga um desvio de R$ 1,3 milhão, os mesmos envolvidos também se tornaram réus. O caso é analisado pelo juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, que aceitou a denúncia no dia 29 de março. Neste processo, os envolvidos também tiveram seus bens declarados indisponíveis.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno detalha regras do ensino domiciliar
Próximo artigoEx-candidatos já se movimentam por vaga de Selma Arruda no Senado

O LIVRE ADS