Riva confirma delação

Ex-deputado se manteve em silêncio em oitiva da CPI do Paletó, na Câmara de Cuiabá, por força do acordo assinado com o MP

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A fantasmagórica deleção premiada do ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Riva, foi confirmada nesta quarta-feira (3) pelo próprio ex-deputado.  

Ele participou da reunião da “CPI do Paletó”, na Câmara de Cuiabá. A intenção era que fosse ouvido como testemunha do caso do mensalinho do governo Silval Barbosa (2010-2014).

Mas Riva se manteve em silêncio, segundo ele, por força da lei de colaboração premiada. 

Conforme o ex-deputado, a exposição de fatos sobre crimes ocorridos na Assembleia Legislativa pode atrapalhar investigações em andamento no Ministério Público Estadual (MPE). 

“Eu, por força de acordo de uma colaboração premiada assinada com o Ministério Público, vou me manter em silêncio para não atrapalhar as investigações em andamento. Quando estiver permitido por lei falar sobre esses assuntos, volto à Câmara para falar tudo o que vocês quiserem”, disse. 

Dentre os fatos confessados por Riva ao MP estaria o episódio gravado pelo ex-chefe de gabinete Silvio Corrêa, em que vários deputados aparecem recebendo dinheiro de suposta propina para aprovar as contas de Silval, entre 2013 e 2014. 

O hoje prefeito Emanuel Pinheiro é uma das figuras flagradas no vídeo, divulgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e entregue pelo ex-governador Silval Barbosa também em acordo de colaboração com a Justiça. 

O dinheiro que Pinheiro recebe no vídeo é o alvo da CPI do Paletó.

Diante do silêncio de Riva, os vereadores pretendem recorrer ao Tribunal de Justiça, que já estaria com o depoimento prestado por ele, para ter acesso a informações relacionadas ao prefeito.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVolta às aulas: governo transfere decisão para prefeitos e abre caminho para escolas particulares
Próximo artigoRecém-nascido morre porque pais demoraram a procurar hospital com medo do coronavírus