Reunião com Bolsonaro: governo de MT quer estadualização de trecho da BR-174

Proposta deve ser apresentada em reunião de Mauro Mendes com o presidente Bolsonaro na próxima terça-feira

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O governador Mauro Mendes (DEM) vai a Brasília na próxima terça-feira (27) para um encontro com o presidente Jair Bolsonaro. O principal assunto será o destrave de serviços de logísticas em Mato Grosso, vinculados ao governo federal. E não estão descartadas conversas sobre a eleição de 2022. 

Devem ser apresentadas propostas para a pavimentação e manutenção de asfalto na rodovia federal BR-174, que interliga a região Noroeste de Mato Grosso a Rondônia, Roraima, Amazonas e até a Venezuela.

A devolução da rodovia para a autoridade do Estado é uma alternativa.    

“Existe um pleito forte no Estado que está pedindo a BR-174, que é federal. O governo do Estado, avalizado pela Assembleia, avalizado pela bancada federal, está pedindo que devolva essa rodovia para Mato Grosso, que vamos fazer o asfaltamento”, afirmou Mauro Mendes. 

Segundo o governador, somente até à entrada de Colniza (1.065 km de Cuiabá) existem cerca de 300 quilômetros de rodovia sem asfalto. Em fevereiro deste ano, a Fundação Nacional do Índio (Funai) divulgou andamento das licenças ambientais para obra no trecho de Castanheira a Colniza. 

Em visita a Mato Grosso há pouco mais de uma semana, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, disse ser viável a devolução da rodovia para a autoridade do Estado. 

Recentemente, o governo lançou a obra da ferrovia Vicente Vuolo entre Rondonópolis e Cuiabá. O projeto também estava sob análise do governo federal há mais de 10 anos. 

Eleições 2022 

O governador Mauro Mendes contestou também críticas de Bolsonaro a gestores que assinaram cartas, no começo deste ano, em defesa do meio ambiente e contra agentes políticos, ligados à base de apoio ao presidente, que teriam divulgado fake news. 

A avaliação de deputados federais de apoio a Bolsonaro é que essas manifestações vão entrar na análise do Planalto para decidir o apoio nas eleições gerais de 2022. Mauro Mendes disse não acreditar nesse critério. 

“Muitas pessoas ouvem dizer as coisas e tomam aquilo como verdade. A carta amplamente defende o meio ambiente, que defende a sustentabilidade, não tem uma crítica a partido A, B ou C, a presidente ou governadores. Eu não posso tomar isso [corte de gestores signatários em apoio para 2022] como verdade. Eu não ouvi ele dizer isso”, afirmou. 

O encontro agendado para terça-feira será o primeiro entre Mauro Mendes e o presidente Bolsonaro após a divulgação das cartas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem intervêm em agressão de vizinho à esposa, chama a polícia e o faz ser preso
Próximo artigoQuer torcer pelo Felipe Lima? Veja os horários em que ele cai na água em Tóquio