Réu que matou caminhoneiro após discussão banal é condenado

O crime foi cometido após desentendimento sobre a forma como seria realizado o carregamento de madeira em um caminhão

Crédito: Michał Chodyra/Thinkstock

Denunciado pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso por homicídio qualificado e porte ilegal de arma de fogo, Rubens Lopes Ferreira, vulgo Rubinho, foi condenado nessa quinta-feira (1º), no município de Juína, a 18 anos e oito meses de prisão.

O crime foi cometido contra o caminhoneiro Dayvid Paulino de Moraes em outubro de 2019 após desentendimento sobre a forma como seria realizado o carregamento de madeira em um caminhão.

Consta na denúncia que a vítima foi atingida por disparos de arma de fogo pelas costas. Segundo o MPMT, mesmo ferida, a vítima tentou se esconder do denunciado, mas não obteve sucesso.

“Encurralada pelo denunciado, a vítima ajoelhou-se e implorou por sua vida, momento em que o denunciado mirou a arma de fogo sentido a cabeça da vítima que, em um ato de desespero, conseguiu desarmá-lo, ocasião em que o mesmo foragiu. Apesar de ter recebido socorro médico, em razão da gravidade das lesões, a vítima não resistiu e faleceu na mesma data”, diz a denúncia.

A arma utilizada para a prática do homicídio, conforme o MPMT, foi adquirida ilegalmente pelo réu em 2016.

Para aplicação da pena, o juiz Wagner Dupim Dias levou em consideração a atenuante da confissão e também a agravante da reincidência, já que o réu já havia cometido outro crime com trânsito em julgado em 2009. Foram consideradas também as qualificadoras: utilização de recurso que dificultou a defesa da vítima e motivo torpe.

Durante o julgamento, a acusação ficou a cargo do promotor de Justiça Dannilo Preti Vieira.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMato Grosso recebe 68.700 doses da vacina Janssen neste sábado
Próximo artigoAcrimat pede que Mapa investigue entrada clandestina de gado boliviano em MT