Resgate inusitado: bombeiros usam aplicativo para tirar gatinha de bueiro

A ideia genial foi dos bombeiros, mas a heroína dessa história é uma senhora persistente

(Foto: Arquivo Pessoal)

Sônia Maria Bordoni Manzeppi, 64 anos, voltava a pé de mais uma sessão de fisioterapia no Hospital Jardim Cuiabá. Era por volta das 9h da manhã e seu trajeto foi interrompido por um pedido de socorro que vinha de dentro de um dos bueiros da calçada.

Um gato que miava desesperadamente e a chuva se aproximava. A situação exigia um salvamento rápido, que foi realizado com a ajuda de uma moradora do bairro, dos bombeiros e ainda um aplicativo de celular que se propõe a facilitar a comunicação com os bichanos.

“Eu comecei a chamar pelo gatinho, mas ele se assuntou e entrou mais ainda para dentro do bueiro. Então, comecei a chorar. Meu medo era de que começasse a chover e a água arrastasse o gato para o córrego”, recordou a amante dos animais.

A tentativa dos bombeiros também fracassou e eles retornaram para o batalhão, que fica a cerca de dois quilômetros do local onde o gato estava. Sônia, então, também seguiu seu caminho para casa – por ali pelas redondezas.

Mas a preocupação, não a deixou em paz. Ela decidiu voltar ao bueiro e, dessa vez, foi munida de comida, água e toalhas para resgatar o animal.

Já passava das 16h e a ameaça de chuva era cada vez maior.

Aflita ao ouvir o miado do gatinho, ela começou a chorar debruçada na calçada novo. Com o rosto virado para o bueiro, chamando a atenção de quem passava pelo local.

“As pessoas passavam e me viam ali na rua agachada e chorando. Pensavam que eu tinha caído e me machucado. Quando eu contava que estava tentando salvar um gatinho, riam e seguiam viagem”.

LEIA TAMBÉM

Até que alguém resolveu ajudar. Thatiane Mariana passeava com seu cachorro, Bob, pelo bairro. Vendo a dificuldade de Sônia e do bichano preso no bueiro, foi até o batalhão do Corpo de Bombeiros e pediu o auxílio.

“Eu tinha passado mais cedo por ali e, depois, vi novamente aquela senhora aflita, no sol e chorando. Sozinhas não iríamos conseguir. E ela só dizia que estava com medo da chuva levar o gato e ele morrer afogado”, contou a moça.

Novamente os militares foram até o local. Mas dessa vez – assim como Sônia – o sargento Matias foi “equipado”. Ele sugeriu o uso de um aplicativo de celular para atrair o gatinho: Cat Sounds.

“O plano foi perfeito. O aplicativo imitava o miado de uma mamãe gata, o que atraiu o filhotinho rapidamente para a entrada do bueiro. Foi uma emoção! Eu chorava e ria ao mesmo tempo”, contou Sônia, que não só adotou como já deu nome a gata: Nina!

Amor x abandono

Nina não foi o primeiro resgate de Sônia. Ela tem quatro cachorros e cinco gatos. Todos adotados.

Alguns moram junto com ela, na casa onde reside em Cuiabá. Outros ficam em uma chácara no Distrito da Guia, onde a senhora passa os finais de semana com o marido.

Mel foi adotada por Sônia e hoje vive na chácara, com muita sombra e água fresca (Foto: Arquivo Pessoal)

Mas eles não foram os únicos. Sônia já perdeu a conta de quantos animais resgatou.

“Meu marido já me proibiu de trazer mais animais de rua para dentro de casa. Além dos gastos, tem o apego. Sempre que algum deles morre, eu fico de luto”.

Com Nina, não teve proibição que resistisse. O apego foi diferente, dada toda essa situação.

A gata de apenas 60 dias já recebeu os primeiros paparicos como banho, alimentação e cama quentinha. Foi medicada e agora recebe, da veterinária Bernadete Santos, os cuidados para sarna e vacinas necessárias.

“Ela e o Chico, meu outro gato que também foi resgatado das ruas, se deram muito bem e já estão brincando alegres pela casa”.

“Quando ouvi aquele miado de pedido de socorro vindo do bueiro, eu já sabia que levaria mais um animal para casa”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorColombiano finge sequestro para não comparecer ao casamento
Próximo artigoRepresentante do Governo Federal pede emprego a venezuelanos refugiados em Cuiabá