Recomposição, não aumento

Emanuel diz que não é justo ter o salário reduzido e vai sancionar “recomposição”

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) garantiu nesta quinta-feira (21) que não recebeu aumento de salário, aprovado por proposta na Câmara dos Vereadores. Ele chamou a mudança de “recomposição” e disse que não considera justo ele ter seu pagamento reduzido, por determinação da Justiça.

Segundo explicou, quando o hoje governador Mauro Mendes (DEM) era prefeito, editou uma lei orgânica estipulando que o salário do prefeito seria equivalente a 70% da remuneração de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). O valor é, inclusive, usado pela maioria das categorias do funcionalismo público no Brasil.

Acontece que, em 2018, o Senado aprovou um reajuste no salário dos ministros, que foi de R$ 33,77 mil para R$ 39,3 mil. Com isso, o salário do prefeito de Cuiabá subiu de R$ 23,6 mil para os R$ 27,5 mil. Esse último valor foi o mesmo estipulado pela Câmara Municipal, no projeto aprovado na terça-feira (19).

Contudo, decisão recente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso declarou a lei orgânica de Mauro Mendes inconstitucional. É que apenas o Poder Legislativo – ou seja, a Câmara – poderia conceder o reajuste salarial.

Por isso, Emanuel voltou a receber R$ 23,6 mil (salário bruto), até que a Câmara colocou o assunto em discussão. E o prefeito, que antes foi contra um aumento de salário para R$ 32 mil, como vereadores sugeriram, afirmou que vai sancionar a que lhe concede a recomposição.

“Não quero um centavo de aumento, mas também não quero um centavo de redução do meu salário. Não existe aumento. Portanto, está recomposta a situação e sem nenhum aumento, eu vou sancionar”, afirmou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMulher forja gravidez para esconder 4 quilos de maconha na barriga
Próximo artigoMEC vai “converter” 54 escolas ao programa Cívico-Militar; Cuiabá terá 2 unidades

O LIVRE ADS