R$ 355 mil: Justiça bloqueia imóvel de ex-secretário e professora da UFMT

Eles são acusados pelo Ministério Público de fraude na aplicação de dinheiro do Estado em projeto cultural

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O juiz da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, Bruno D’Oliveira Marques, autorizou o bloqueio de um imóvel do ex-secretário de Estado de Cultura, Jurandir Antônio Francisco, e da esposa dele, a professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Katia Luzia Brandão Caldas Meirelles.

A decisão foi publicada nesta terça-feira (28) no Diário da Justiça e atende pedido do Ministério Público de Mato Grosso (MP), que ingressou com pedido de cumprimento de sentença para garantir aos cofres públicos o ressarcimento de R$ 355 mil.

O Ministério Público identificou irregularidades no projeto de incentivo à cultura “Imagens da Terra”, proposto por Katia e aprovado por Jurandir, na época responsável pela Secretaria de Estado de Cultura.

O projeto foi aprovado pela Lei de Incentivo à Cultura em 1999 e executado em parceria com a TV Educativa da UFMT, mediante liberação dos cofres públicos no valor de R$ 277 mil.

O dinheiro foi liberado pela Rede Cemat, que foi favorecida com abatimento da cobrança de ICMS pelo governo do Estado.

O “Imagens da Terra” consistia na produção de um vídeo mensal, no total de 12 programas com duração de 10 minutos cada, sobre os aspectos sociais e culturais de Mato Grosso.

Entretanto, o Ministério Público relatou que o projeto não ocorreu e que, em dezembro do ano de 2000, um ano depois da captação do dinheiro público, Katia requereu a prorrogação do projeto alegando problemas de ordem técnica.

Em março de 2001, o projeto ainda não havia sido concluído. A prestação de contas ocorreu somente em novembro daquele ano.

Ainda conforme o Ministério Público, após diligências e perícias, foi verificado que havia diferenças entre os valores informados, que os documentos não atendiam as formalidades legais, que as despesas foram executadas em desacordo com o orçamento e que houve despesas com aquisição de bens e serviços impróprios.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça mantém prisão de homem que matou ex-esposa em via pública em Cuiabá
Próximo artigoCuiabá adia volta às aulas presenciais e libera comércio no dia 1º de maio