R$ 3 bi para Educação… particular

Senadores aprovaram um projeto para socorrer empresas do setor afetadas pela pandemia

(Foto: Freepik)

O Senado aprovou nesta quarta-feira (9) o projeto de lei que institui uma política de auxílio a escolas particulares em todo o país.

Entre os benefícios previstos está a suspensão de tributos devidos por essas empresas e também a possibilidade que elas façam o mesmo com contratos de trabalho.

E para ajudar a amenizar a crise causada pela pandemia – que suspendeu as aulas em todo o país – o Senado ainda quer que o governo federal repasse R$ 3 bilhões para os Municípios investirem nesse setor.

Pela proposta, as prefeituras ficariam autorizadas a “investir” – o que os senadores chamam de subsídio – de R$ 3 mil a R$ 10 mil por mês nessas escolas, a depender do número de alunos matriculados.

O dinheiro pode ser repassado até 31 de dezembro, quando termina a vigência do Estado de Calamidade no país.

O argumento dos senadores é que 482 estabelecimentos de educação básica, localizados em 83 municípios brasileiros, perderam em média 52% de suas receitas. Na educação infantil, essa perda foi de 56%.

LEIA TAMBÉM

Isso só até maio. Os atrasos no pagamento de mensalidades chegaram a 17% em abril. Antes da pandemia, eram de cerca de 9%.

Outra previsão do projeto aprovado no Senado é que o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) preste consultoria gratuita nos próximos doze meses, a fim de auxiliar os donos das escolas particulares a traçar as melhores estratégias para se reestruturarem.

O projeto ainda precisa passar pela Câmara dos Deputados e ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

(Com Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProduto desenvolvido no Brasil ajuda a investigar crime de violência sexual
Próximo artigoPedreiro que estuprou e matou criança confessa o crime após 10 anos