Quem viu, conta: “Maria Taquara tinha muita compostura”, diz professora

Pedagoga via a lavadeira quando era criança: "Era bem magra, negra e mesmo com a simplicidade conseguia ser elegante”

Estátua foi retirada para restauração na semana passada e ausência gerou polêmica.(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Muita gente se recordou das histórias de Maria Taquara na semana passada quando a estátua dela foi retirada do local habitual, no centro de Cuiabá, para restauração.

A ausência da representação da personagem em ferro despertou entre a cuiabania e os paus rodados o questionamento: quem realmente foi esta mulher? Será que ela existiu?

Na verdade, até hoje ninguém sabe a origem ou destino da personagem. Faltam comprovações, fotos e registros oficiais de quem foi a folclórica figura de Maria Taquara, que chega a parecer ficção.

O pouco que se sabe está nas histórias, criadas por meio das narrativas de quem a conheceu e transmitidas pelo “boca a boca”.

Uma dessas pessoas é a pedagoga Nize de Carvalho, 81 anos. Ela conta que tinha 10 anos quando foi morar com a irmã. A casa ficava onde atualmente é a rua Eduardo Gomes, nas proximidades do 44º Batalhão de Infantaria Motorizada.

“Eu sempre via ela passar. Era bem magra, negra e mesmo com a simplicidade conseguia ser elegante”.

De acordo com a professora, Maria estava muito longe da figura que algumas pessoas tentam difundir. Ela não era medonha ou assustava as pessoas com a sua aparência.

Sempre estava bem vestida, mesmo com as peças puídas. O traje diário da lavadeira era a famosa calça, masculina e adaptada ao corpo dela, e camisa. “Ela gostava muito de vermelho e a calça não tinha babados”.

Nize Carvalho, pedagoga cuiabana

Nize lembra que as calças eram uma novidade, mas ela nunca foi desrespeitada por usá-las.

“As pessoas se acostumaram às calças e ela era séria, não dava espaço para conversa. Tinha muita compostura ao caminhar com a trouxa na cabeça”.

Agora, com relação aos hábitos noturnos dela, Nize afirma que não tem muito a dizer. “Eu era criança e não tinha conhecimento destas coisas. Mas tenho clara a figura dela passando pelas ruas”.

LEIA TAMBÉM:

Nas rodas de conversa, Maria Taquara é conhecida com uma mulher à frente de seu tempo. Ela usava calças, trabalhava para se sustentar, não tinha filhos ou marido, bebia e ainda tinha diversos namorados.

Conforme os relatos, não aceitava o apelido de Taquara e sempre que um engraçadinho a chamava por este nome, respondia: “De dia Maria Taquara e a noite, Maria meu bem”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. Conheci também a Maria Taquara e como era criança., achava que o nome era por causa da altura e seu corpo magro.Muitasvezes parou em frente onde eu morava e vai as crianças bricando e a chamando Maria Taquara ela respondi sorrindo , ” meu nome é Mário ” e saia sorrindo sem mostrar magoada. São lembranças que com meus 84 anos guardo saudades da minha inf^anciã bem viivida.
    .

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovo ataque a tiros deixa nove mortos nos Estados Unidos
Próximo artigoPoliciais militares entregam agasalhos a famílias carentes de Chapada dos Guimarães

O LIVRE ADS