Quase 140 caminhões carregados de madeira ilegal são apreendidos em MT

Ação é resultado do comprometimento de MT com o pacto de zerar o desmatamento ilegal até 2020

Foto: Divulgação

A maior apreensão de madeira ilegal dos últimos dez anos, em Mato Grosso, foi feita por agentes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) nesta semana. Ao todo foram apreendidos 2.880 metros cúbicos de madeira ilegal, o que equivale a 140 caminhões carregados. A carga foi encontrada em pátio de uma madeireira no distrito de Três Fronteiras (Guatá), em Colniza (1.076 km de Cuiabá).

Segundo informou a assessoria do órgão, a apreensão foi feita na sétima fase da Operação Proteger, que é uma força tarefa entre agentes da Sema, do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), Força Tática e do Batalhão da Polícia Militar de Proteção Ambiental.

Colniza, localizado ao noroeste de Mato Grosso, é considerado um dos maiores focos de desmatamento ilegal de todo o país.

Operação Proteger

Com o objetivo de coibir o comércio irregular de madeira em Mato Grosso, a operação já está na sétima fase e resultou em mais de R$ 34 milhões em multas aplicadas, ao longo de 2018. Também já foram apreendidos mais de 4,6 mil metros cúbicos de madeira ilegal durante as ações.

Além da madeireira onde foram encontrados os mais de dois mil metros cúbicos de madeira irregular, outras duas empresas também foram embargadas durante a sétima fase da operação. Conforme informou a Sema, elas estavam em desconformidade com licença ou contrariando normas ambientais. Os três empreendimentos receberam multa de R$1,3 milhão, juntos.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, André Baby, comentou que a ação é resultado do comprometimento de Mato Grosso com o pacto de zerar o desmatamento ilegal até 2020, firmado em Paris, com outros líderes mundiais.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBlairo Maggi diz que agro perde ativistas, mas não perde a força
Próximo artigoA um dia da decisão, Bolsonaro fica no Rio e Haddad em São Paulo