Quarto suspeito de envolvimento nas mortes de Bruno e Dom Phillips é preso em SP

Homem de 26 anos teria passado por Rondonópolis durante a sua fuga

(Foto: Reprodução)

Um rapaz de 26 anos foi preso pela Polícia Militar, em São Paulo, após confessar ter participado das mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, no Amazonas.

O homem teria passado por Rondonópolis (212 km de Cuiabá) durante sua fuga.

Segundo as informações do site R7.com, o rapaz identificado como Gabriel Pereira Dantas, abordou uma equipe de policiais militares que estava na praça da República, na capital paulista, nesta quinta-feira (23), e teria relatado seu envolvimento nas mortes.

Gabriel alegou que, após os assassinatos, teria ido para Santarém, no Pará, e de lá, voltado para o Amazonas e passado por Manaus, de onde seguiu até Rondonópolis, em Mato Grosso. Dali, foi para o destino final, São Paulo, onde vivia nas ruas.

Informações sobre o crime

Ao ser levado à delegacia da Polícia Civil, o suspeito disse que teria sido o responsável por pilotar a canoa usada por Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como “Pelado”, após o crime.

Segundo a versão de Gabriel, ele estava bebendo com Amarildo no dia do crime e o colega o chamou para pilotar a canoa. O rapaz alegou não saber que o objetivo do pescador era matar Bruno e Dom.

De acordo com a narrativa do rapaz, Amarildo teria atirado primeiro no jornalista, em seguida, no indigenista. Depois, outras duas pessoas foram chamadas e foram as responsáveis por jogar os pertences das vítimas no rio.

Gabriel foi encaminhado à Polícia Federal, que é a responsável pela condução das investigações do caso.

Outros três suspeitos já foram detidos pela polícia, entre eles Amarildo e o irmão, Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como “Dos Santos”. Eles foram os primeiros a serem presos.

Traslado dos corpos

Os corpos de Bruno e Dom serão entregues às famílias nesta quinta-feira.

O velório do indigenista será realizado nesta sexta-feira (24), a partir das 9h, em Pernambuco. Às 15h será a cremação.

Dom Phillips será velado em Niterói, no Rio de Janeiro, a partir das 9h do próximo domingo (26), quando também acontecerá a cremação.

O caso

Dom Phillips, que era colaborador do jornal britânico The Guardian, e Bruno Pereira, servidor licenciado da Fundação Nacional do Índio (Funai), foram vistos pela última vez na manhã de domingo (5), na região da reserva indígena do Vale do Javari, a segunda maior do país, com mais de 8,5 milhões de hectares. 

O local concentra o maior número de indígenas isolados ou de contato recente do mundo. Eles se deslocavam da comunidade ribeirinha de São Rafael para a cidade de Atalaia do Norte (AM), quando sumiram sem deixar vestígios. 

No dia 15 de junho, a polícia encontrou os corpos dos desaparecidos depois que os irmãos Amarildo e Oseney teriam confessado as mortes.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVigilância dos vigias: implantação de câmeras em fardas policiais lida com resistência
Próximo artigoMoro afirma que não se arrepende de ter sido ministro do governo Bolsonaro