Quanto você vale? Como plataformas de assinatura na internet destroem a dignidade humana

Artigo de Luiz Felipe Costa sobre a proibição do OnlyFans de conteúdo sexual explícito

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A recente notícia de que a plataforma de assinatura OnlyFans irá proibir conteúdo sexual explícito causou agitação nos produtores de conteúdos e no público que utiliza essa rede social, que foi até mesmo chamada de “vítima da guerra contra a pornografia” por um veículo de comunicação.

A popularidade do OnlyFans

Criado em 2016 por Timothy Stokely e com 75% de seu capital nas mãos do “barão da pornografia” Leonid Radvinsky desde 2018, o OnlyFans é um serviço de assinatura em que os produtores de conteúdo postam fotos e vídeos geralmente de teor erótico para seus assinantes, cobrando uma taxa que varia de US$4,99 a US$49,99 por mês – ou seja, de R$30,00 a R$300,00.

Desistindo de enfrentar as dificuldades do trabalho duro e buscando o “sonho” de se ganhar “dinheiro fácil”, pessoas de todas as idades se rendem cada vez mais a este novo, porém velho, meio de sustento.

Além da chance de se obter renda, outro fator que contribui para o aumento dos produtores de conteúdo dessa rede e para sua crescente popularidade é a pandemia do vírus chinês covid-19, que ceifou as possibilidades de trabalho – e até mesmo de buscar trabalho – de muitas pessoas no mundo todo graças ao “fique em casa” exagerado.

O lockdown também é um dos culpados por levar muitos à ociosidade dentro de suas próprias residências, ocasionando na busca desenfreada por outras alternativas de “diversão”.

Qual o motivo do banimento?

Ao mexer com o bolso, e também com as paixões desordenadas do ser humano, a decisão do OnlyFans gerou revolta tanto em produtores quanto em espectadores. Porém, esse banimento de conteúdo explícito não se deu pela empresa ter finalmente entrado nos eixos morais. Em entrevista à revista americana Complex, um representante do OnlyFans explicou que o motivo do banimento é não entrar em conflito com seus parceiros financeiros, como provedores de pagamento e bancos, que querem se distanciar de conteúdos impróprios – pelo menos por enquanto.

Entretanto, em tweets mais recentes, a plataforma informou que suspenderá essa proibição e continuará permitindo conteúdos explícitos. Sendo assim, fotos e vídeos indecentes continuarão sendo veiculados no OnlyFans.

Quem se sujeita a isso?

Contando com cerca de 130 milhões de usuários e dois milhões de produtores de conteúdo, segundo o site The Sun, o OnlyFans também é um espaço para artistas mostrarem seus trabalhos exclusivos e suas rotinas a seus seguidores mais ferrenhos. Contudo, a maioria dos produtores, celebridades ou anônimos, promove material sexualmente explícito. Os (maus) exemplos de conteúdos são variados e não serão citados para que os leitores não se escandalizem.

Segundo a BBC, foram descobertas inclusive contas atribuídas a menores de idade no site devido a falhas de verificação de identidade.

O dinheiro envolvido nisso é alto. De acordo com a Forbes, 80% do valor da assinatura é destinado ao produtor de conteúdo, enquanto o restante fica com o OnlyFans. Isso permite que muitos “modelos” levem uma vida milionária graças à plataforma.

Sob a visão cristã

Há até pessoas que se dizem cristãs produzindo conteúdo adulto para o OnlyFans – e não veem incompatibilidade nisso. Estão, pois, enganadas, obviamente, já que essa atividade tem um nome: “pornografia”, considerado pecado grave no cristianismo por ofender à castidade e à cobiça do próximo como um objeto – 6º e 9º Mandamentos.

O Catecismo da Igreja Católica (CIC), no artigo 2354, define claramente a pornografia como algo que “consiste em retirar os atos sexuais, reais ou simulados, da intimidade dos parceiros para exibi-los a terceiros de maneira deliberada.” É exatamente isso que os produtores de conteúdo explícito do OnlyFans fazem. Mais à frente no mesmo artigo, o CIC confirma: “É pecado grave.”

O mesmo Catecismo diz que a pornografia “atenta gravemente à dignidade daqueles que a praticam (atores, comerciantes, público), porque cada um se torna para o outro um objeto de prazer”. Ou seja, as pessoas estão se deixando tornar objetos e fazendo outras de objeto pelo mísero valor que varia de 30 a trezentos reais por mês.

Em texto escrito para o Canção Nova, o psicólogo e filósofo Adriano Gonçalves diz que “a pornografia deturpa a dignidade dos filhos de Deus”, criando-se “a fantasia de que o ser humano é uma máquina a ser manipulada na obtenção máxima do prazer”.

Em outras palavras, os produtores e seu público estão utilizando máquinas – celulares, câmeras, computadores – com o objetivo de transformar o ser humano em meras máquinas. Em reunião com a Rede Internacional de Legisladores Católicos no último dia 27, o próprio Papa Francisco alertou: “as maravilhas da ciência e tecnologias modernas aumentaram a nossa qualidade de vida (…), mas, abandonadas a si mesmas e apenas às forças do mercado, (…) essas inovações podem ameaçar a dignidade do ser humano”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMato Grosso recebe 206.380 doses de vacina contra a covid-19 nesta segunda-feira
Próximo artigoMotorista de aplicativo é preso por passar a mão em passageira durante corrida