Próximo alvo: Educação?

Depoimento de ex-secretário pode revelar quais serão os próximos passos do Ministério Público nas investigações da Operação Capistrum

(Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

Ex-secretário de Saúde de Cuiabá e colaborador das investigações que resultaram na Operação Capistrum, Huark Douglas Correa disse ao Ministério Público não descartar a possibilidade de que o esquema de contratação de indicados políticos tenha extrapolado as fronteiras da Pasta que comandava.

Em depoimento, Huark disse haver a possibilidade de existir um esquema semelhante na Secretaria de Educação da Capital. O motivo da suspeita, segundo ele, é o fato de também ser um setor com grande quantidade de funcionários temporários.

Aos promotores, o ex-secretário disse que, certa vez, recebeu uma caixa com cerca de 400 contratos, acompanhados com a ordem do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) para que fossem “regularizados”.

A maior parte dessas pessoas já estaria inserida na folha de pagamento da Secretaria de Saúde e precisavam, agora, da assinatura do então secretário para serem formalizadas nos cargos.

Conforme Huark, as contratações aconteciam via secretaria de Gestão, por isso a suspeita de que “intervenções” como essa possam ter ocorrido também em outras Pastas.

No total, Huark entregou 259 contratos de funcionários temporários indicados por aliados políticos do prefeito. Desses, o Ministério Público identificou que, pelo menos, 236 permaneceram trabalhando na prefeitura de 2018 até maio de 2021.

O que diz a Prefeitura?

Em nota publicada na terça-feira (19), o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, classifou como “desproporcionais e midiáticas” as medidas adotadas pelo Poder Judiciário e sustentou estar “à disposição das autoridades para esclarecimentos dos fatos“.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSuspeitos de roubo em fazenda são presos durante operação contra crime organizado
Próximo artigoCovid: shoppings de Cuiabá terão pontos de vacinação neste sábado