Projeto traduz ‘juridiquês’ e ajuda trabalhador a entender decisões judiciais

Por meio de recursos visuais, os envolvidos no processo poderão de forma simples saber o que perderam e o que ganharam

Atualmente, de qualquer lugar do mundo é possível verificar, acessando o Processo Judicial Eletrônico (PJe), como está o andamento de uma ação na Justiça. A linguagem jurídica, no entanto, pode dificultar o entendimento e, quase sempre, é necessária a ajuda de um advogado para que as pessoas possam compreender plenamente o que foi decidido.

Um projeto que começou a ser implementado pela Vara do Trabalho de Colíder, no Norte de Mato Grosso, pretende facilitar essa compreensão com elementos visuais e uma linguagem mais acessível para trabalhadores e empregadores, além de tornar o aspecto geral da decisão mais intuitivo e atrativo. É o chamado Visual Law, ou Direito Visual.

A iniciativa é conduzida pela juíza Graziele Lima, que explica que o projeto é uma forma de comunicação moderna e inovadora que aproxima o Judiciário da sociedade. “A proposta é tornar a comunicação judicial mais simples, intuitiva e agradável para todos os usuários, sejam eles julgadores, servidores, advogados ou partes. Mas sem deixar de lado a técnica jurídica”.

As sentenças da Vara do Trabalho de Colíder agora trazem, além da costumeira linguagem jurídica das decisões judiciais, um resumo em linguagem simples, para que trabalhador e empregador possam, sozinhos, entender o que perdeu, o que ganhou, o que deverá ser pago ao advogado ou de custas processuais, por exemplo.

O novo formato, no entanto, não exclui o tradicional, que continua a ser publicado no PJe.

Primeiro caso

A primeira decisão com o Visual Law foi proferida em setembro deste ano em uma ação do advogado Cassio Miotto. Com 20 anos de experiência na área trabalhista, o profissional destaca que esta é uma iniciativa muito válida e que vai auxiliar os clientes a entenderem o resultado da ação. “Quando a parte nos liga, quer saber o que ganhou e o que não ganhou. Muitas vezes, demora um dia para conseguir falar com o advogado. Com essa ação, agora eles vão entender o que está acontecendo no processo”.

O advogado elogiou também o fato de a decisão estar disponível no PJe tanto no formato tradicional quanto no simplificado, pois assim não traz qualquer prejuízo, só benefícios. “Hoje, com o acesso ilimitado às informações processuais, as partes ficam muito perdidas ao lerem os documentos oficiais que costumam gerar mais dúvidas que esclarecimentos. Essa nova versão ficou muito boa, atrativa e de um jeito simples para todos entenderem”.

Visual Law

O Visual Law é uma subárea do ‘design jurídico’ que, por meio de elementos gráficos, busca modificar a comunicação jurídica. Para implementar o projeto, a juíza Graziele Lima contou com o apoio do servidor do TRT de Alagoas Arthur Amorim, que auxiliou na adequação do formato, aplicando conhecimentos da área jurídica com sua experiência como designer.

Tendência mundial, o Visual Law começou a ser usado por várias unidades do judiciário, entre elas, algumas varas da justiça comum e de varas trabalhistas dos TRTs de Alagoas, Paraíba, Ceará, dentre outros. Em Mato Grosso, o projeto da unidade de Colíder é pioneiro.

“O Visual Law contribui para uma prestação jurisdicional efetiva, com o entendimento do que foi resolvido naquele conflito”, finaliza a juíza Graziele Lima.

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem tenta estuprar adolescente vendedor de algodão-doce
Próximo artigoCliente agride, estupra e tenta matar prostituta após ela recusar programa