Projeto social de empresário da mineração financia Hospital Geral de Poconé

Mensalmente, o projeto da Fomentas Mining faz repasses financeiros a unidade para custear 100% da medicação e dos partos cesarianos

(Foto: Assessoria)

Com um custo mensal de aproximadamente R$ 63 mil, o projeto da Fomentas Mining, uma das associadas do Instituto Somos do Minério, é responsável pelo pagamento de 100% da medicação e dos partos cesarianos do Hospital Geral de Poconé.

O projeto, que teve início em 2018, já realizou o repasse de mais de R$ 820 mil para compra de medicamentos, e permitiu a realização de mais de 480 partos, com custo total de R$ 1,3 milhão chegando à soma de R$ 2,1 milhões financiados ao longo da parceria.

A iniciativa partiu do empresário Valdinei Mauro de Souza, CEO da Fomentas Mining, ao ser apresentado a situação em que o hospital se encontrava. “Poconé sempre nos acolheu como uma mãe, nos abençoando muito. Quando nos procuraram, e entendemos a situação complicada que o hospital se encontrava, com muitas dívidas, pronto para fechar, tivemos que intervir”.

Segundo o diretor geral do hospital, Danton Caporossi, a ação vem permitindo o pleno funcionamento do hospital após um período crítico em que o órgão público correu o risco de fechar as portas por falta de financiamento.

“O hospital é mantido quase que integralmente pelo SUS com um recurso mensal de R$122 mil, dos quais 90% é utilizado para a folha de pagamento. Restam ainda os encargos, a compra de oxigênio, de alimentação, de insumos e outros. Se essa parceria se encerrasse, principalmente em relação a medicação, seria fatal, com certeza não conseguiríamos manter as portas abertas”, afirma Danton.

Para o diretor, falta visibilidade para ações como essa. “É necessário enaltecer essa parceria, da qual a população de Poconé e do entorno da cidade toda depende e muitas vezes nem sabe”, ressalta.

Segundo Valdinei, com o apoio e transparência que o Somos do Minério vem trazendo para as ações do setor da mineração, planos ainda maiores já estão em pauta.

“Queremos convocar cada vez mais empresários a apoiar o Instituto. Com o Somos do Minério, possuímos o projeto de construir um novo hospital para Poconé, para atender não só os partos, mas todas as necessidades clínicas e cirúrgicas da população local. Os terrenos já foram adquiridos, e estamos em fase de planejamento estrutural”, destaca.

Para o empresário, é motivo de orgulho dizer que agora novos poconeanos nascem todos os meses, sem precisar se deslocar para Cuiabá ou Várzea Grande.

“É a nossa forma de retribuir a essa cidade que nos acolheu tão bem. Queremos ampliar os projetos e convocar a cadeia produtiva da região a apoiar a causa do hospital. Somos do Minério, somos do bem e queremos inspirar cada vez mais gente a promover o bem junto conosco”, conclui.

Segundo Andrei Giometti, presidente do Somos do Minério, este é apenas o começo das ações sociais do Instituto. “Muitos empresários já desenvolvem ações sociais no entorno das suas atividades e queremos fortalecer, fomentar e dar visibilidade a essas iniciativas. Queremos apoiar e já estamos em busca de projetos filantrópicos dentro da zona de influência da mineração, nos estados do Mato Grosso, Pará, Rondônia e Goiás. Seremos um canal de propagação dessas boas ações”, conclui.

Partos

Segundo o médico obstetra Rogério Barros de Siqueira, responsável pelo atendimento às gestantes do convênio, o hospital não fazia partos desde 2015.

“Era somente em ocasiões muito críticas, quando a paciente já chegava parindo realmente e não havia mais tempo de se deslocar para Cuiabá ou Várzea Grande, mas não eram condições adequadas”, afirma.

O médico explica que, com o convênio, um levantamento é realizado com os postos de saúde, que encaminham as grávidas em fase final de gestação, e então é feito um monitoramento caso a caso.

“Avaliamos desde a posição dos bebês ou que já passaram do dia, ou casos em que a mãe possui alguma condição de risco e vamos dando prioridade caso a caso”, afirma.

O atendimento começa antes do parto em si, com acompanhamento do final da gestação, e se estende no pós parto. “Elas ficam 48h internadas, com acompanhamento com a pediatra da clínica, até a alta”, explica.

Segundo Rogério, é gratificante participar da iniciativa. “É muito prazeroso fazer parte de um projeto como esse, que permite o nascimento desses bebês aqui, o que há anos já não acontecia. Estamos aqui e conhecemos todo mundo, então sabemos da situação dessas pessoas e o projeto veio justamente para atender esse público mais carente. É muito digno, me sinto muito honrado em participar”, conclui.

O Dr. Rogério Barros é atualmente o único obstetra de Poconé, e participa do convênio através da Clínica Plena.

Informações sobre parceiros, ações e projetos do Instituto Somos do Minério estão disponíveis no site www.somosdominerio.com.br.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA gestão por estresse e suas consequências ao meio ambiente do trabalho
Próximo artigo“Queremos eleições limpas, democráticas e sinceras”, diz Bolsonaro sobre voto auditável