Projeto que prevê renúncia de verba indenizatória é reprovado na ALMT

A verba corresponde a até R$ 65 mil, que são pagos pela ALMT para os deputados custearem os trabalhos do gabinete

Foto: Ronaldo Mazza ALMT

O projeto de lei do deputado estadual Ulysses Moraes (DC), que pretendia reduzir a verba indenizatória (VI) dos parlamentares em 50%, ganhou substitutivo integral ao passar pela Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), mas foi rejeitado na manhã desta quarta-feira (22). O projeto chegou a ser aprovado em primeira votação, mas teve o parecer pela rejeição na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e foi arquivo da ALMT.

A verba indenizatória é um recurso de até R$ 65 mil, liberado pelo Poder Legislativo, para que os parlamentares arquem com os custos dos seus trabalhos nos gabinetes. Os deputados não precisam prestar contas sobre o uso do dinheiro.

O substitutivo foi apresentado por lideranças partidárias antes da sessão, aprovado pela e apreciado em primeira votação em plenário nesta manhã. Além de Ulysses, apenas foram contra os deputados Sílvio Fávero (PSL) e Faissal Calil (PV).

As alterações mudaram por completo a ideia do deputado Ulysses. Ele queria inclusive que os parlamentares prestassem contas sobre o uso do valor.

Ulysses usou a tribuna para reclamar das mudanças, mas, apesar disso, cumpriu com seus próprios ideais e anunciou que deixará de receber 50% do valor indenizatório. A redução da verba era uma das bandeiras do deputado, que se elegeu cobrando o fim das regalias dos políticos.

Polêmico

Na semana passada, o projeto do parlamentar causou uma troca de ataques entre ele e a presidente interina da Assembleia Legislativa, Janaina Riva (MDB), que chegou a afirmar que o projeto apresentado por Ulysses seria inconstitucional e que a proposta não passava de demagogia: “Aliás, tem deputado que eu acho que não vale nem R$ 1 mil de VI”, comentou.

Autor do projeto, Ulysses rebateu a parlamentar, dizendo que ser criticado por Janaina, para ele, significava estar no caminho certo. “Deste sobrenome, quero distância. Estou lutando e enfrentando privilégios e mordomias oferecidos pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso aos parlamentares e tenho muito orgulho disso”.

LEIA TAMBÉM

Janaina Riva diz que projeto de redução da VI é demagogia; Ulysses ironiza

Projeto que reduz VI é aprovado em comissão; petista vota contra e é desafiado

Ulysses Moraes rejeita lei para doar verba indenizatória e tenta reduzir valor do benefício

Servidores da ALMT podem ter recebido mais de R$ 2 milhões ilegalmente

*Atualizada 13h44

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. ISSO É UMA VERGONHA. O deputado Ulysses Moraes lutou sozinho, a imprensa “marron”, bateu nele, distorceu a verdade, chegou a acusar o deputado de ter aumentado o gasto com a VI em mais de 200%, sendo que gastou $18.900,00, em três meses e os outros deputados gastaram $195.000,00, o cara usou 10% da Vi e ainda foi acusado de ter aumentado o uso em 200%, só a imprensa de Cuiabá mesmo. Agora se eu fosse o Dep. Ulysses iria aproveitar a farra também.
    Os Sindicatos terão que ficar calados, tiveram a oportunidade de ajudar, mas não se manifestaram, só sabe falar de RGA, cambada de sanguessuga/inúteis.
    Aproveite Deputado Ulysses Moraes, agora meta a mão na VI, o povo não te merece, eles gostam de quem roubam.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdolescente é agredida e ameaçada de morte por companheiro armado
Próximo artigoGoverno repassa R$ 1 milhão para hospitais filantrópicos