Projeto amplia suspensão do Fies, mas com parcelamento menor

Em Mato Grosso, 20% dos profissionais se formam graças ao crédito estudantil

(Divulgação)

Um projeto aprovado pelo Senado pretende prorrogar o prazo de suspensão das mensalidades do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), bem como incluir entre os beneficiários, não só os alunos em dia com os pagamentos. Quem está devendo até 6 meses, contados a partir da formalização do estado de pandemia pelo coronavírus, ou seja, setembro de 2019, também pode acabar contemplado.

Atualmente, a suspensão dos pagamentos era possível apenas às pessoas que estavam com as mensalidades em dia e cujo benefício terminaria em julho. Devido as modificações no texto do projeto, ele precisou ser votado novamente.

Vale lembrar que o número de formandos em Mato Grosso que usam o Fies está acima da média nacional. Conforme dados do Observatório do Portal Nacional da Educação, enquanto no Brasil 9,8% dos acadêmicos concluem a faculdade por conta do Fies, em Mato Grosso a porcentagem chega a 20%.

Mudanças no projeto

O novo projeto amplia o prazo de suspensão para 31 de dezembro de 2020 e ainda atribui as novas formas de pagamento da dívida.

No caso de quitação integral, até o último dia deste ano, haverá redução de 100% dos encargos moratórios. Na regra atual, a redução é de 50%.

Os senadores incluíram outra possibilidade de quitação: quatro parcelas semestrais, até 31 de dezembro de 2022, ou 24 parcelas mensais, com redução de 60% dos encargos moratórios. O parcelamento começa em 31 de março de 2021.

Continuam no texto os parcelamentos de 145 ou 175 parcelas mensais e sucessivas, com redução de 40% e 25%, respectivamente. Mas esses pagamentos começam a partir de janeiro de 2021. Nesses parcelamentos, o valor de entrada será a primeira parcela mensal a ser paga.

Como o parcelamento começa do zero, podem ser incluídas as parcelas não quitadas até a data de publicação da futura lei.

Proposta revogada

Relator da proposta, o deputado federal Moses Rodrigues (MDB-CE) acatou pontos do texto do Senado, mas rejeitou dispositivos.

Entre os que ele não manteve estão o que estabelecia a diluição dos valores das parcelas suspensas nas parcelas a vencer depois da calamidade pública. Para o relator, isso restringiria as opções do estudante ou recém-formado. Com isso, um regulamento ainda definirá qual forma de pagamento poderá ser usada.

Agora, o projeto será encaminhado a Presidência da República que pode sancioná-lo, rejeitá-lo integralmente ou vetar itens do texto aprovado.

A publicação sairá em edição do Diário Oficial da União. Caso algum dispositivo seja vetado, a proposta terá que voltar para análise do Congresso Nacional.

(Com Agência Senado)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem ameaça a esposa com rastelo e acaba morto a facada por ela
Próximo artigoMT não precisará de plano para retomada econômica pós-pandemia