Profissão em frangalhos: enfermeiros e técnicos ganham mal e estão mais expostos a riscos

Diferença salarial entre médicos e demais profissionais da saúde é gigante e a carga de trabalho pese mais para quem ganha menos

Hospital Regional (Foto: Secom MT)

No início de 2021, cerca de 60 enfermeiros graduados em Mato Grosso vão para a Alemanha para uma temporada de um ano de trabalho e imersão na cultura germânica. O programa tem ares de intercâmbio estudantil que não são enganosos.

Mas não é para todo mundo. Na área da saúde, existem discrepância alarmantes entre os níveis de graduação. E o exercício da Medicina não tem o mesmo gosto para médicos, enfermeiros e técnicos. 

Estes últimos, junto com os auxiliares, passam o maior tempo nos cuidados dos pacientes. Trabalham 12 horas por dia e o retorno financeiro é bem baixo: cerca de três vezes menor do que o recebido por um médico. 

A situação está ressaltada pela pandemia do novo coronavírus. Presidente do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem de Mato Grosso (Sinpen-MT), Dejamir Soares afirma que o governo de Mato Grosso tem pago R$ 380 por plantão nos hospitais referências de tratamento da covid-19. 

Os profissionais cumprem 12 horas de trabalho e contato direto com os pacientes. Fazem medicação e prestam outros cuidados corriqueiros e necessários a quem está internado em ala de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). 

“Quem passa o maior tempo com os pacientes são os enfermeiros, técnicos e auxiliares. São eles que ficam ao lado para o socorro. Os médicos chegam, olham e assinam o que é necessário. Quem pega no pesado mesmo são os enfermeiros”, diz Dejamir. 

Dados divulgados nessa segunda-feira (24) pelo Ministério da Saúde apontam na mesma direção. Segundo os números, 257 mil profissionais da saúde foram infectados pelo coronavírus desde o início da pandemia. E desse total, a maior parte é formada por técnicos e auxiliares de enfermagem.

Eles somam 34,4% dos infectados. Os enfermeiros aparecem logo em seguida: 14,5%. Médicos são 10,7% e agentes comunitários de saúde somam 4,9%.

Imagem Ilustrativa (Foto: Freepik)

A diferença de ganho entre eles faz parte do abismo na estrutura hospitalar. Conforme o Sinpen, cada médico recebe R$ 1,2 mil por cada plantão com a mesma carga horária. 

Há dois meses, quando a Secretaria de Estado de Saúde (SES) reabriu edital para a contratação de médicos e enfermeiros, para preencher cargos nos hospitais referências da covid, houve incremento no pagamento por plantão somente para os médicos. 

Escada salarial 

Mas a diferença salarial tem histórico mais longo que o da pandemia e é disforme. Levantamento do Sindicato de Enfermeiros aponta que o preço do trabalho ofertado varia de acordo com a região do Estado. Quanto mais afastado, mais baixo. 

Nos hospitais da Baixada Cuiabana, por exemplo, o piso salarial em está R$ 1.380. A essa quantia são somados alguns benefícios, como insalubridade, tempo de serviço e cesta básica (em alguns casos). 

A região Norte de Mato Grosso tem, hoje, a melhor oferta. Por lá, os hospitais pagam até R$ 2 mil ao mês, com os mesmos direitos a benefícios. Já na região Oeste, a situação volta a ficar igual na Baixada Cuiabana. 

Paralelamente, em alguns municípios da mesma região, prefeituras já ofertam até R$ 38 mil para atrair médicos, por exemplo, no primeiro ano do governo Bolsonaro, quando o programa Mais Médicos foi suspenso. 

Perfil 

O sindicato aponta ainda que Mato Grosso tem, hoje, cerca de 38 mil enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem. A maioria são mulheres que trabalham para médicos, geralmente donos de hospitais. 

Imagem Ilustrativa (Foto: Freepik)

Uma pesquisa do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) – que traçou o perfil dos profissionais dessas áreas – aponta que, além de a maioria ser mulher, a concentração de pessoas no mercado está na faixa etária entre 36 e 55 anos. 

São pessoas graduadas em Mato Grosso e que entram no mercado no mesmo Estado de formação. Mas a fila de quem atualiza o conhecimento na área fica menor após os anos de graduação. 

Conforme a pesquisa, apenas 16% tinham leitura de periódicos especializados. A participação em eventos voltados para a profissão era assídua para 67% dos entrevistados e 69% passaram por algum aprimoramento após a conclusão do curso. 

Precariedade nacional 

O enfermeiro Dejamir Santos afirma que as condições ruins de trabalho e a renda não são exclusivas de Mato Grosso, apesar de haver situações mais graves em alguns pontos. 

Em Várzea Grande, o plano de carreira estaria estagnado há mais de 10 anos. Não estão sendo concedidos as progressões de cargo e nem reajuste salarial de acordo com a função. 

“E quando, todo ano, vamos conversar com os gestores, eles ficam nos olhando com cara de paisagem. Na rede pública, há um melhor piso salarial, de R$ 2.850, mas do que adianta se não está atualizado?”, diz. 

A pesquisa do Confen aponta que 1,8% de profissionais de enfermagem no Brasil recebe menos de um salário mínimo por mês. Outros 16,8% têm renda total mensal de até R$ 1 mil 

Conforme os dados, os quatro grandes setores de empregabilidade da Enfermagem (público, privado, filantrópico e ensino) apresentam subsalários. O privado (21,4%) e o filantrópico (21,5%) são os que mais praticam salários com valores de até R$ 1 mil. Mas mesmo nesses dois casos, a renda de mais da metade dos empregados não passa de R$ 2 mil. 

Por outro lado, a dificuldade de encontrar emprego foi relatada por 65,9% dos profissionais de Enfermagem. A área já apresenta situação de desemprego aberto, com 10,1% dos profissionais entrevistados relatando situações de desemprego nos últimos 12 meses. 

De acordo o Sinpen-MT, na Alemanha, a renda mínima de enfermeiros para uma jornada semanal de 30 horas é de 5 mil euros. Os escolhidos de Mato Grosso para a temporada lá, em 2021, estão em treinamento há cerca de um ano para reduzir o impacto da adaptação, com alguns custos bancados pelo governo alemão, por exemplo, a aprendizagem do idioma. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

6 COMENTÁRIOS

  1. Uma vergonha e desumanidade com os profissionais,jogados aos leões. Em alguns locais médicos se negam a fazer o primeiro atendimento e o estabelecimento força o enfermeiro a fazer este primeiro atendimento,que não é atribuição do enfermeiro.E o pobre do paciente?Que país é esse,que maltrata e adoece seus profissionais(anjos da guarda)?Médicos ricos e o restante dos profissionais da saúde doentes e abandonados.

  2. Somos a maioria dentro da área de saúde, estou falando de nós profissionais da enfermagem. Sou técnico de enfermagem, moro e trabalho em juiz de fora, MG. Me pergunto então, se somos a maioria dentro de todas as áreas da saúde, por que então temos tão poucos direitos? Na minha cidade um técnico de enfermagem ganha em média $1.300,00. Para se ter uma idéia uma pessoa que faz serviço de acompanhante por exemplo, cobrando $100,00 por dia, dia sim dia não, no final está sendo mais bem remunerada do que um profissional que se formou, não desmerecendo é claro, mais essa comparação é só para mostrar o quanto nós somos mal remunerados para fazer um serviço de tal grande valor e responsabilidade que é o cuidado das vidas de pessoas. Somos a maioria, temos que nos organizar, sem contar com sindicatos é claro, por que esses parecem estar do lado errado, ou seja, do lado dos empresários que querem apenas explorar a mão de obra o mais barato possível, que somos nós infelizmente. Vamos nos organizar gente, temos os números a nosso favor, não podemos mais aceitar essa situação de braços cruzados. Vamos começar a lançar campanhaseu nas redes sociais e que seja a longo prazo mais vamos a luta…

  3. Isso não é salário é uma vergonha, enfermagem de linha de frente, ganha menos do que um auxiliar de limpeza? não desvalorizando o serviço da higienização, mas a enfermagem é o pior salário.

  4. Enfermeiros deveriam reclamar dos salários dos juízes e não dos médicos. Médico ganhar de 10 a 15 mil nao podem mas o Juíz ganhar 50 mil está tudo bem. Medicina são anos estudando em casa ou em cursinho, muitos entram só depois dos 24 anos na faculdade, enquanto o enfermeiro já está formado. Depois tem que fazer residência de 5 anos. Quando a Enfermagem perceber que o problema não são os outros profissionais da saúde mas sim o judiciário? Poderia citar promotor, procurador e etc também.

    • muitos so entram aos 24 anos na faculdade por uma glamourização da profissão, e por causa do Lobby que o CFM faz. Se o curso de medicina fosse mais barato (e sim, ele é caro PROPOSITALMENTE) e tivessem mais ofertas de cursos no país, nao haveria mais esse problema.
      Mas não: a reserva de mercado é proposital, o numero baixo de vagas é proposital, porque se não os medicos não terão mais porque cobrar valores absurdos por plantões, e veriam o que aconteceu com os advogados: o desprestigio da profissão.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDe interino a titular
Próximo artigoMP retoma trabalho presencial