Professor cria manual contra covid-19 para todo tipo de estabelecimento

O LIVRE teve acesso ao conteúdo e fez listas dos principais pontos, separando setor por setor econômico

(Foto: Reprodução)

A ideia é ajudar comerciantes, prestadores de serviços e profissionais de outros setores a adotar medidas de biossegurança que reduzam o risco de transmissão da covid-19. Com esse intuito, um professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) criou um manual. O material foi disponibilizado gratuitamente pela instituição.

O manual foi desenvolvido pelo professor Carlos Kusano Bucalen Ferrari do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS), do Campus Universitário do Araguaia.

Ele utilizou evidências científicas da literatura biomédica para embasar o material.
Além das recomendações, o manuel contém perguntas e repostas sobre o vírus, a disseminação dele e um glossários.

O LIVRE teve acesso ao conteúdo e fez listas dos principais pontos, separando setor por setor.

Para ter acesso ao manual completo, clique aqui.

Bares, restaurantes e lanchonetes

  1. Borrifar álcool 70% nas roupas e calçados dos funcionários nos momentos em que estes chegam ao local de trabalho. O produto também deve ser utilizado nas mãos, braços e antebraços;
  2. Funcionários devem vestir jalecos descartáveis de TNT, luvas e máscaras. (O jaleco dependendo da espessura poderá ser lavado na máquina);
  3. A cada uso da máquina de cartão de crédito/débito, o equipamento deve ser higienizado com álcool 70% líquido;
  4. Optar por serviços e aplicativos de entrega.
Imagem Ilustrativa (Foto: Reprodução/Dom Sebastião)

Cabeleireiros e salões de beleza

  1. Não atender cliente que tiver febre ou outros sintomas respiratórios;
  2. Funcionários e clientes devem usar máscaras. O trabalhador também deve utilizar luvas descartáveis;
  3. O uso de avental descartável nos clientes também é recomendado. O equipamento também pode ser de pano, desde que utilizado apenas uma vez em cada cliente;
  4. Se possível, deixar calçados em área externa. Roupas e acessórios devem ser borrifados com álcool 70%;
  5. O atendimento deve ser individual com hora marcada sem contato com outros clientes;
    Em salões com grande volume de clientes, as pessoas devem estar com distância mínima de 4 metros;
  6. Limpar os utensílios e lavá-los com água e sabão. Depois, é possível desinfetar utilizando álcool 70%, água sanitária ou fervendo na água. (Se utilizar água sanitária pura (hidroclorito de sódio a 5%) deixe por 5 minutos. Se estiver diluída deixe imerso por 15 minutos);
  7. A cada uso da máquina de cartão de crédito/débito, o equipamento deve ser higienizado com álcool 70% líquido.
Imagem Ilustrativa (Foto: Reprodução/Salão Me)

Consultórios médicos e odontológicos

  1. Os procedimentos de biossegurança já preconizados nestes locais devem ser mantidos. Além disso, utilizar máscaras, luvas e protetor facial;
  2. Se tiver disponibilidade, utilizar máscara especial que filtra partículas e microrganismos;
  3. Borrifar álcool 70% nos calçados e roupas dos funcionários e vestí-los com avental descartável de TNT;
  4. De preferência deixar calçados de funcionários e dos pacientes fora do consultório. É possível utilizar protetores de calçados de plástico para evitar sujar e contaminar o local;
  5. A cada uso de cartão de débito/crédito, limpar a máquina com álcool 70% líquido;
(Foto: Imagem ilustrativa)

Mercados e supermercados

  1. Borrifar álcool 70% nas roupas e calçados dos funcionários nos momentos em que estes chegam ao local de trabalho. Os funcionários devem usar jaleco que cobrem o corpo todo, a exemplo dos usados em frigoríficos;
  2. Oferecer serviços de entrega em residência (delivery) e entrega em mãos (drive thru);
  3. Caso o mercado permita a entrada de clientes, controlar a entrada dos mesmos e considerar a entrada simultânea de poucas pessoas. De modo geral, para cada pessoa considere 4 metros de distância em movimento;
  4. A cada uso de cartão de débito/crédito, limpar a máquina com álcool 70% líquido.
(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Lojas e outros estabelecimentos públicos e privados

  1. Borrifar álcool 70% (líquido) nos calçados e roupas e vestir um jaleco (avental) descartável que cobre o corpo todo dos funcionários;
  2. Borrifar álcool 70% nos calçados e roupas de cada cliente que vai entrar na loja. (É possível utilizar protetores de calçados de plástico nos calçados de clientes e funcionários para evitar sujar e contaminar o chão supermercado;
  3. Limitar a entrada de clientes e considerar a entrada simultânea de poucas pessoas;
  4. Conscientizar que cada cliente deverá fazer suas compras rapidamente para evitar aglomeração. Cada pessoa deve considerar 4 metros de distância em movimento;
  5. A cada uso de cartão de débito/crédito, limpar a máquina com álcool 70% líquido;
  6. Desinfetar com álcool gel ou água sanitária ou álcool líquido 70% cadeiras, bancos e objetos que tiveram contato com cada usuário antes do uso por outros clientes.
(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Indústrias

  1. Borrifar álcool 70% (líquido) nos calçados e roupas e vestir um jaleco (avental) descartável que cobre o corpo todo do funcionário;
  2. Caso seja indústria que produz alimentos e outros produtos utilizados diretamente nos seres humanos é recomendado que haja uma porta de entrada onde cada funcionário passa por processo de troca de roupas por uniformes limpos e esterilizados ou por desinfeção de suas roupas.

Escolas, faculdade, universidades

  1. Se for possível, solicitar aos alunos que deixem calçados em local reservado fora da sala de aula. É possível que cada aluno traga sua própria pantufa de casa;
  2. Borrifar álcool 70% (líquido) nos calçados e roupas de cada aluno, professor e todos os funcionários que trabalham em estabelecimentos públicos e privados de ensino;
  3. Fazer limpeza e desinfeção diárias de salas de aula, carteiras, cadeiras, armários e outros objetos.
(Foto: Arquivo Agência Brasil)

Igrejas e estabelecimentos religiosos

  1. Se for possível, solicitar aos fiéis que deixem calçados em local reservado fora da igreja ou local de culto;
  2. Borrifar álcool 70% (líquido) nos calçados e roupas de cada pessoa;
  3. Evitar cerimônias em que haja contato entre fiéis e sacerdotes e troca de objetos;
  4. Manter palcos, altares, objetos, chão, banheiros e igreja e estabelecimento limpos e desinfetados.

Academias de ginástica, cinemas, teatros, shoppings

O professor recomenda que os serviços só sejam liberados ao fim da pandemia.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMT terá banco emergencial de ração para mais de 17 mil cães e gatos em abrigos
Próximo artigoPego em flagrante, homem tenta matar marido de sua amante

O LIVRE ADS