Produtores de MT entram na Justiça contra multinacional por causa de patente

Produtores alegam que não há inovação em tecnologia e esperam recuperar mais de R$ 550 milhões já investidos na empresa multinacional

(Foto: Fablicio Rodrigues / ALMT)

A Associação dos Produtores de Algodão do Mato Grosso (AMPA) entrou na Justiça Federal contra a multinacional agrícola Monsanto, pedindo anulação da patente da semente de algodão denominada Bollgard II RR Flex (conhecida por B2RF).

Na ação, os produtores alegam que a empresa não trouxe inovação relevante para o registro de novas patentes.

Se o pedido for aceito, os produtores mato-grossenses deverão receber mais de R$ 550 milhões, referentes à cifra de U$ 151 milhões de dólares que já foram pagos à empresa em royalties, pelo uso da tecnologia desde 2013, quando a B2RF foi lançada pela Monsanto.

Segundo a Ampa, a semente é uma combinação da segunda geração do Algodão Bollgard, que combate lagartas, com a segunda geração do algodão Roundup Ready, tolerante ao glifosato. Em razão disso, é mais resistente aos inseticidas, tem maior eficiência no controle de pragas e permite maior sobrevivência de insetos benéficos à plantação.

O presidente da Ampa, o empresário Alexandre Pedro Schenkel, destacou que o produtor é quem mais se beneficia com novas tecnologias que chegam ao campo, e têm o maior interesse em pagar por elas.

Contudo, para Schenkel, não é justo “pagar royalties por inovação banal, que não tenha tecnologia suficiente que preencha os requisitos técnicos para concessão da patente”.

Atualmente, Mato Grosso é o maior produtor de algodão do Brasil, responsável por 66% da plantação e 64% da colheita brasileira, segundo levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), na safra 2017/2018.

Na safra atual, a B2RF foi a maior tecnologia aplicada no plantio, ocupando mais de 28% da área plantada. Se o pedido da nulidade for aceito, além de receber os valores já pagos, o cotonicultor vai economizar, nas próximas safras, U$ 240 dólares por hectare, que seria pago pelos royalties da semente.

Justiça

Esta não é a primeira vez que a Monsanto é questionada na Justiça. Em novembro de 2017, Associações de Produtores de Soja de 12 estados brasileiros pediram na Justiça Federal a anulação da patente da soja Intacta (patente PI 0016460-7). Os produtores sustentaram que a patente não cumpria os requisitos necessários, violando a Lei de Propriedade Industrial.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem abusa de menina de quatro anos a 500 metros de base da polícia
Próximo artigoBancada de MT: só deputada petista vota contra reforma da Previdência

O LIVRE ADS