Produtor rural de Mato Grosso fecha acordo de delação premiada

Nelson Vigolo é investigado na quinta fase Operação Faroeste, que apura um esquema de venda de sentenças por juízes da Bahia

(Foto: Reprodução/Valor Econômico)

O empresário Nelson José Vigolo assinou acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR). Ele é investigado na quinta fase da Operação Faroeste, que apura a compra de sentenças no Tribunal de Justiça da Bahia. 

A informação do acordo foi publicada na segunda-feira (31) pelo jornal O Globo

Vigolo é presidente do Grupo Bom Jesus, de Rondonópolis (210 km de Cuiabá), e entrou na investigação por suspeita de pagar R$ 250 mil a uma juíza da Bahia em processo de R$ 1 milhão. 

O empresário também tem ligação com políticos de Mato Grosso. Foi o maior doador para a campanha de Pedro Taques ao governo em 2014, junto com Eraí Maggi, o “rei da soja”. 

A Operação Faroeste foi deflagrada em maio deste ano pela Polícia Federal. Os investigadores cumpriram mandado de busca e apreensão na casa Vigolo, em Rondonópolis.  

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) tornou réus quatro desembargadores e três juízes em decorrência da investigação. Conforme o Ministério Público Federal, os magistrados envolvidos na organização criminosa iam legitimar irregularmente 800 hectares de terra na região Oeste da Bahia. 

O acordo assinado por Nelson José Vigolo contribuiria, dentre outras coisas, com informações sobre o esquema. Conforme O Globo, o ministro Og Fernandes, relator do caso, ainda não homologou o acordo de colaboração. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEstão abertas as inscrições para o Miss Cuiabá/Mato Grosso Plus Size 2020
Próximo artigoAntes do dia 10