Produtor diversifica cultivo de abacaxi com a soja e resultado surpreende

A expectativa do produtor é plantar na safra 21/22 uma área maior de soja como alternativa para a rotação de culturas

(Foto: Assessoria Emapaer)

O produtor Sérgio Antônio Bach, do assentamento Santo Idelfonso, em Novo São Joaquim (a 485 km de Cuiabá) decidiu inovar ao introduzir sob a assistência técnica da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) o cultivo da soja como rotação de cultura junto  sua produção de abacaxi. Já no primeiro ano, a safra de 20/21, plantada em uma área de 17 hectares, rendeu 60 sacas por hectare.

“Fiquei surpreso, feliz e satisfeito. Com o projeto e acompanhamento da Empaer, além de investir em tecnologia pude reverter todo esforço do trabalho no resultado da produção”.

A expectativa do produtor é plantar na safra 21/22 uma área maior de soja como alternativa para a rotação de culturas, aproveitando a boa fertilidade do solo já estabelecida na propriedade.

A rentabilidade da soja é maior se comparada com a cultura do milho e da mandioca que também diversifica, mas seu carro chefe é o abacaxi pérola cultivado em uma área de 40 hectares e com uma produção de 1,6 milhão de frutos no ciclo de dois anos da cultura.

Essa produção atende o vale do Araguaia e o excedente é exportado para Goiás, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

“Desde 1996 trabalho na lida da terra e comecei com três mil pés de abacaxis. Hoje colho 15 mil frutas por semana e entrego em supermercados da região. Precisei investir em tecnologia e, com a assistência técnica fez toda diferença, caso contrário, estaria fora do mercado”.

O engenheiro agrônomo da Empaer, Guilherme Bortolanza explica que vem prestando assistência técnica ao produtor desde 2015 e avançou tanto com os projetos que hoje a propriedade tem uma marca, a Frutinova. Com ela, de 2018 a 2021 registrou um salto na produtividade com aumento da renda bruta em 216%.

Dentre os projetos implantados, destaca-se também, o sistema de irrigação de autopropelido que possui uma maior vazão de água sendo capaz de irrigar uma área de aproximadamente 30 hectares a cada 15 dias.

“O trabalho foi dividir a propriedade e realizar o sistema de irrigação por partes e um período de 15 dias. A propriedade antes colhia fruto por sete meses, hoje com o sistema produz o ano todo”. Guilherme frisa que a Empaer acompanha a Frutinova desde o preparo do solo, até a colheita e a comercialização dos frutos.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom vetos, Bolsonaro sanciona criação de base de dados sobre violência contra a mulher
Próximo artigoGoverno define datas para retomada das visitas a presos em duas unidades de Cuiabá