Produto desenvolvido no Brasil ajuda a investigar crime de violência sexual

Produto será testado diante do aumento de casos de estupro e violência sexual durante a pandemia

(Foto: Imagem ilustrativa)

O nome é complicado, fenolftaleína bifosfato tetrassódio, mas ela já teve eficácia comprovada em ambiente controlado. Desenvolvida pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), será usada para investigar crimes de violência sexual.

Trata-se de um reagente sintetizado em 2014. Na mesma época foi pedida a patente ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Só agora, porém, houve resultado. É que uma nova demanda surgiu: o aumento de casos de estupro e violência sexual durante a pandemia.

O novo produto deve permitir que haja confirmação do crime ainda no local onde ele ocorreu, para que não se gaste tempo e dinheiro com testes em laboratórios.

Professor do Instituto de Química da UFRJ, Claudio Lopes, explica que, no laboratório, ao usar o novo reagente o sêmen aparece na cor rosa. No local do crime, no entanto, é preciso ter uma indicação correta para localizar os indícios da violência.

“Por isso, nós vamos usar um teste imunocromatográfico, com amostras suspeitas e jogar o reagente, para ver se aparece a cor rosa”, explica.

O novo produto deve seguir caminhos parecido com o do luminol, reagente que permite detectar sangue. Vai aumentar a sensibilidade da detecção do sêmen e permitir ter indícios de determinadas manchas mais difíceis de serem vistas.

Essa é a primeira vez que um reagente de sêmen será usado em cena de crime. As fases de teste devem ser concluídas até o fim do ano.

(Com Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSenado aprova criação de um cadastro nacional de estupradores
Próximo artigoR$ 3 bi para Educação… particular