Produção suína em MT deve crescer 67% em dez anos

Os principais desafios para conseguir essa meta são a ampliação do mercado interno e a diversificação dos destinos nas exportações.

Foto: Assessoria

Quinto maior produtor nacional de suínos, com 214 mil toneladas em 2017, Mato Grosso tem a projeção de ampliar sua produção em 67% até 2028. Os principais desafios para conseguir essa meta são a ampliação do mercado interno e a diversificação dos destinos nas exportações. No Brasil, o consumo médio de carne suína é de 14,7 kg por habitantes, fica atrás de outras proteínas animais como o frango com 42 Kg per capita e a carne bovina com 33,2 Kg per capita.

A carne suína tem um grande potencial de crescimento no mercado interno. Em 2017, o Estado conquistou o recorde histórico registrando 2,89 milhões de cabeças abatidas, sendo que as plantas frigoríficas trabalharam com 75% de sua capacidade.

A indústria mundial da suinocultura continua evoluindo sempre com a meta de utilizar o que há de melhor e mais avançado em técnicas de produção de suínos. De forma geral, a produção se dá em quatro fases. A primeira é a reprodução que é o período onde ocorre a cobertura e gestação das fêmeas e dura cerca de quatro meses. Quando prestes a parirem, as matrizes são transferidas para uma sala de maternidade por cerca de quatro semanas. Nestas instalações, os leitões nascem e são criados em ambiente protegido. Esta é a segunda fase do processo de produção.

Logo depois de desmamados, os leitões são colocados na creche até completarem 10 semanas de vida. E a última fase da produção de suínos é conhecida como crescimento, terminação ou engorda, quando os animais são alimentados até atingirem o peso de mercado. Normalmente, os suínos criados para produção de carne são vendidos entre cinco e seis meses de idade.

A suinocultura é marcada pela evolução de processos de criação que visam principalmente a produtividade e a redução de custos. Toda cadeia produtiva possui um conjunto de matéria-prima que inclui fornecedores, insumos e ainda máquinas e equipamentos que tem o objetivo de resultar em produtos finais que sejam de qualidade. No processo de produção é considerado a genética que é a base da tecnologia, a nutrição e a sanidade. Por outro lado, a criação de suínos é uma atividade empresarial e como tal, depende de mecanismos de gestão, planejamento, avaliação de métodos e processos administrativos.

É importante ressaltar que o crescimento e a terminação são as fases menos preocupantes. Mesmo assim, o suinocultor precisa ter alguns cuidados como ao iniciar esta etapa, os animais apresentem um peso compatível com a idade e boas condições sanitárias. Assim sendo, pode-se dizer que o sucesso nessas fases depende de um bom desempenho na maternidade e na creche.

Dicas importantes

– Manejar as salas de crescimento e terminação segundo o sistema “todos dentro todos fora”, ou seja, entrada e saída de lotes fechados de leitões.

– Alojar os leitões nas baias de crescimento e terminação no dia da saída da creche, mantendo os mesmos grupos formados ou refazer os lotes por tamanho e sexo.

– Manter a temperatura das salas entre 16°C e 18°C, de acordo com a fase de desenvolvimento dos animais, controlando com o uso de termômetro.

– Fornecer aos animais, à vontade, ração de crescimento até os 50 kg de peso vivo e ração de terminação até o abate.

– Dispor de bebedouros de fácil acesso para os animais, com altura, vazão e pressão corretamente regulados.

– Monitorar cada sala de crescimento e terminação pelo menos duas vezes pela manhã e duas pela tarde. O objetivo é observar as condições dos animais, dos bebedouros, comedouros, da ração e da temperatura ambiente.

– Limpar as baias de crescimento e terminação diariamente com pá e vassoura.

– Esvaziar e lavar semanalmente as calhas coletoras de dejetos, mantendo no fundo das mesmas, após a lavagem, uma lâmina de cinco centímetro de água, de preferência reciclada.

– Implementar ações corretivas com a maior brevidade possível, quando for constatada qualquer irregularidade, especialmente problemas sanitários.

– Fazer a venda dos animais para o abate por lote, de acordo com o peso exigido pelo mercado

– Observar o período de retirada de qualquer medicamento em uso antes de enviar os suínos para o abate.

– Não deixar eventuais animais refugo nas instalações.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCabo Gerson pode voltar para a prisão
Próximo artigoPDT anuncia apoio crítico à candidatura de Fernando Haddad